O mais novo incidente do Canelas 2010: agressão ao árbitro e jogo suspenso

Time formado por líderes de torcida do Porto é conhecido pela violência Jogo em fase decisiva terminou aos 2 minutos, com o juiz internado com fratura nasal

Agressões e expulsão de Enquadramento Gonçalves, jogador das Canelas 2010.

Entre o estupor, a indignação e a vergonha, o futebol português, e talvez toda a sociedade do país, assistem à mais nova peripécia em torno do Canelas 2010, um time de futebol que reúne os líderes mais conhecidos da Super Dragões, uma torcida organizada do FC Porto. Trata-se da mesma equipe que, no final de outubro, recebeu a notícia de que a partir de então nenhum adversário da sua liga aceitaria jogar com eles, por medo dos incidentes ocorridos nesses duelos, tanto em campo quanto nas arquibancadas. Desde então, o Canelas 2010 ganhou 17 jogos por WO, perdeu uma, contra o único rival que decidiu jogar, e ganhou os dois últimos da temporada regular contra times que só entraram em campo por exigência legal, já que num novo WO poderia acarretar o rebaixamento. Já na fase de disputa por uma vaga na terceira divisão do futebol profissional português, o Canelas 2010 tinha ganhado uma partida e perdido outra, mas o terceiro jogo, neste domingo, só durou dois minutos: um de seus atletas deu uma joelhada na cara do árbitro e o mandou para o hospital com uma fratura no osso nasal.

Mais informações

“Corremos o risco de que um dia um árbitro morra em campo”, alerta Luciano Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol. O Canelas 2010 reagiu com certa superioridade e divulgou um comunicado em que condenava “veementemente” o ocorrido e anunciava que o agressor não voltaria a vestir a sua camisa. Trata-se de Marco Gonçalves, um fornido atleta de 34 anos que se destaca como um dos chefes da Super Dragões. No sábado à noite, horas antes da partida, foi visto junto com Fernando Madureira, o Macaco, liderando a torcida no Estádio da Luz, durante o clássico contra o Benfica. Horas depois saía escoltado pela polícia do gramado do Rio Tinto, justamente uma das equipes que se negaram a jogar contra o Canelas 2010 na fase regular do campeonato e que, no início da fase de promoção, anunciou que entraria em campo desta vez porque uma recusa causaria o rebaixamento por vias administrativas, conforme prevê o regulamento.

O jogo começou, e Marco Gonçalves saiu alucinado. Na disputa da primeira bola teve um leve encontrão com um zagueiro do Rio Tinto, que jogava como local. Este lhe deu as costas e levou um soco no rosto, desferido por trás. O árbitro José Rodrigues chegou correndo e mostrou cartão vermelho a Gonçalves, que imediatamente agarrou o juiz pelo pescoço e, após imobilizá-lo, lhe deu uma joelhada no rosto. Vários agentes da polícia (as autoridades decidiram que os jogos do Canelas 2010 exigem esquema reforçado) entraram em campo nesse momento, mas o chefe da associação de árbitros acha que faltou firmeza. “Trata-se de um crime público, o agressor deveria ser detido e levado a um tribunal. Não basta puni-lo com dois ou três meses, em nível civil o castigo deve ser exemplar.” Um porta-voz do Rio Tinto seguiu pela mesma linha: “Aconteceu o que infelizmente todos esperávamos, e a polícia se limitou a separar as pessoas e a ajudar o agressor a sair de campo, sem tomar medidas lógicas num Estado de direito”.

Contudo, nas próximas horas Gonçalves deverá depor à Justiça embora já tenha dito a um canal de TV que não se lembra do incidente. “Recordo de ter agarrado o árbitro, mas não sei o que mais aconteceu. Dizem-me que lhe dei uma joelhada, e é possível que assim fosse. Neste caso quero pedir desculpas a ele, a sua família e a todos os portugueses”. Com mais memória, ofereceu em detalhes a explicação sobre como reagiu após ouvir graves insultos do rival: “Nós nos enganchamos, eu lhe meti o braço e ele se atirou ao chão a chorar como um bebê”.

O árbitro já recebeu alta e se recupera em casa. O Canelas 2010 se colocou à disposição dele “para qualquer coisa de que necessite” e esclarece que seu capitão Fernando Madureira saiu em defesa do árbitro e contribuiu para acalmar os ânimos. A Federação Portuguesa de Futebol pede à Associação de Futebol do Porto, a organizadora do campeonato, que tome medidas imediatas para que nada semelhante volte a ocorrer. O Canelas 2010, que qualifica o ocorrido como um fato isolado, continua participando, com outros cinco times, do torneio de ascensão. Ocupa a terceira colocação, a quatro pontos do líder, e com uma partida a menos. Se terminar na liderança poderá disputar o terceiro degrau do futebol profissional luso na próxima temporada. A FIFA tem há dois meses em seu poder um dossiê enviado pelas equipes que se negaram a enfrentar o Canelas 2010, no qual detalham todo o histórico de conflitos protagonizados pela equipe liderada por Madureira, que é taxativo a respeito. "Podem recorrer à FIFA, à UEFA, a Marte, a Netuno ou a Plutão, que eles não têm nada aonde se agarrar. Confiamos na Justiça esportiva.”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: