Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

O tempo da Portela é hoje

Portela quebra jejum de 33 anos e é consagrada a campeã do carnaval 2017 do Rio

  • A Portela, uma das escolas de samba mais tradicionais do Rio de Janeiro, foi consagrada a campeã do Carnaval 2017 nesta quarta-feira, ao garantir 269,9 pontos dos 270 possíveis. A escola conquistou o primeiro lugar pela 22ª vez em sua história, com um desfile que narrou as lendas dos rios. A Mocidade ficou com o segundo lugar (com 269,8 pontos) e a Salgueiro ficou com a terceira colocação (com 269,7 pontos).
    1A Portela, uma das escolas de samba mais tradicionais do Rio de Janeiro, foi consagrada a campeã do Carnaval 2017 nesta quarta-feira, ao garantir 269,9 pontos dos 270 possíveis. A escola conquistou o primeiro lugar pela 22ª vez em sua história, com um desfile que narrou as lendas dos rios. A Mocidade ficou com o segundo lugar (com 269,8 pontos) e a Salgueiro ficou com a terceira colocação (com 269,7 pontos). EFE
  • Portela campeã
    2O enredo campeão também fez uma homenagem a um dos grandes nomes da Portela, Paulinho da Viola, ao incluir no enredo o verso clássico "Foi um rio que passou em minha vida". Em 2003, o documentário 'Meu tempo é hoje' contou a história de Paulinho e a relação de amor com a escola de Madureira. AP
  • Portela campeã
    3O carnavalesco Paulo Barros foi o responsável pelo desfile campeão deste ano. A águia, símbolo da escola campeã, foi um dos destaques do desfile na Marquês de Sapucaí. REUTERS
  • A escola de Madureira, fundada em 1923, não era campeã desde 1984. Além de quebrar o jejum, a Portela tornou-se a maior campeã do carnaval do Rio.
    4A escola de Madureira, fundada em 1923, não era campeã desde 1984. Além de quebrar o jejum, a Portela tornou-se a maior campeã do carnaval do Rio. AP
  • A Portela contou com 31 alas neste carnaval, que destacava as histórias e lendas em torno de grandes rios, como o Nilo e o Mississipi.
    5A Portela contou com 31 alas neste carnaval, que destacava as histórias e lendas em torno de grandes rios, como o Nilo e o Mississipi. AP
  • A escola também lembrou a tragédia de Mariana (MG), com o carro alegórico 'Um rio que era doce'.
    6A escola também lembrou a tragédia de Mariana (MG), com o carro alegórico 'Um rio que era doce'. AFP
  • Em um ano em que os acidentes na Marquês de Sapucaí ofuscaram os desfiles (acidentes com os carros das escolas Paraíso do Tuiuti e Unidos da Tijuca deixaram mais de 30 feridos), a Portela venceu ao superar a Mocidade Independente de Padre Miguel no quesito enredo.
    7Em um ano em que os acidentes na Marquês de Sapucaí ofuscaram os desfiles (acidentes com os carros das escolas Paraíso do Tuiuti e Unidos da Tijuca deixaram mais de 30 feridos), a Portela venceu ao superar a Mocidade Independente de Padre Miguel no quesito enredo. EFE
  • A Portela falou também sobre as civilizações que nasceram ao longo dos leitos dos rios em várias partes do mundo.
    8A Portela falou também sobre as civilizações que nasceram ao longo dos leitos dos rios em várias partes do mundo. EFE
  • Os seres dos rios também estiveram presentes no enredo, como o mito da Cobra-Grande, “mãe do mundo”, presente em várias culturas.
    9Os seres dos rios também estiveram presentes no enredo, como o mito da Cobra-Grande, “mãe do mundo”, presente em várias culturas. AP
  • "O carnaval precisa da Portela, a cultura brasileira precisa da Portela", disse o presidente da escola, Luís Carlos Magalhães, ao comemorar o título do carnaval 2017.
    10"O carnaval precisa da Portela, a cultura brasileira precisa da Portela", disse o presidente da escola, Luís Carlos Magalhães, ao comemorar o título do carnaval 2017. EFE
  • Ao passar como um rio pela avenida, a Portela emocionou os foliões que assistiam ao desfile e quebrou o jejum de 33 anos, sendo consagrada a campeã do Carnaval 2017 do Rio de Janeiro.
    11Ao passar como um rio pela avenida, a Portela emocionou os foliões que assistiam ao desfile e quebrou o jejum de 33 anos, sendo consagrada a campeã do Carnaval 2017 do Rio de Janeiro. EFE