Seleccione Edição
Login

Justiça coloca Barça e Neymar em julgamento por fraude na contratação do brasileiro

Tribunal rejeita recurso do clube

Seguem pendentes os do atleta e do presidente Bartomeu

Julgamento Neymar e Barcelona Ampliar foto
Neymar comemora o pênalti sofrido contra o Leganés no último sábado. EFE

A Audiência Nacional da Espanha confirmou nesta segunda-feira a ação em curso contra o atacante do Barcelona Neymar e contra o próprio clube, como pessoa jurídica, no processo em que respondem por fraude e corrupção nas operações de transferência do jogador, segundo informaram fontes da Justiça. O tribunal rejeitou o recurso impetrado pelo clube contra a decisão do juiz José de la Mata que decidira pela tramitação acelerada da causa, que significa a ida do jogador a julgamento.

O tribunal também deixou a um passo do banco dos réus – faltando apenas o auto de abertura do processo oral — a mãe do jogador, Nadine Gonçalves da Silva, e a N&N, empresa familiar criada pelos pais do atacante e pelo Santos, seu clube de origem. Ainda estão pendentes de decisão os recursos impetrados contra a ida a julgamento pelo presidente do Barcelona, Josep María Bartomeu.

O processo decorre de uma ação apresentada pelo fundo de investimento DIS em junho de 2015.Essa entidade, ligada ao Grupo Sonda, que opera em diversos setores, de supermercados a postos de gasolina, detinha 40% dos direitos federativos do jogador quando este atuava pelo Santos. O DIS afirmou ter sofrido um prejuízo econômico por ocasião do contrato de 40 milhões de euros firmado entre o Barcelona e Neymar em 2011 para garantir a sua ida para o clube espanhol antes que ele passasse a ter o direito de decisão sobre o seu próprio passe.

Em seu recurso, a defesa de Neymar argumenta que desde que o jogador era menor de idade e até depois de completar 18 anos, ele deixara toda a gestão de seus contratos nas mãos do pai, dedicando-se apenas a atuar como atleta. No texto em que nega o recurso, a Quarta Seção do tribunal Penal da Audiência Nacional lembra que as assinaturas que aparecem nos contratos são do jogador e que a possibilidade de que a culpa real seja de seu pai é um detalhe que terá de ser esclarecido ao longo do julgamento. O tribunal recorda que outro jogador e colega de vestiário de Neymar, Lionel Messi, usou o mesmo argumento, ou seja, de que as questões de dinheiro ficavam a cargo de seu pai, no julgamento por crime fiscal a que foi levado na Audiência de Barcelona. Messi foi condenado a 21 meses de prisão.

Segundo a promotoria da Audiência Nacional, em 2011 o então presidente do Barcelona, Sandro Rosell, por um lado, e Neymar e seu pai, do outro, fizeram um acordo pelo qual o atleta recebia 40 milhões de euros para garantir que se transferiria para a equipe espanhola em 2014, quando estaria com o passe livre. Dessa forma, segundo a promotoria, “impediram que outros clubes participassem livremente de negociações para uma eventual aquisição dos direitos federativos do jogador”. Além disso, o atleta assinara uma cláusula segundo a qual pagaria uma multa de 40 milhões de euros se se transferisse para outro clube, além de devolver 10 milhões de euros que lhe haviam sido entregues pelo clube a título de “empréstimo” para garantir a sua futura ida a Barcelona.

De acordo com a promotoria, “interferiu-se no livre mercado de contratações de jogadores, prejudicando o Santos, que desconhecia esse acordo, e o fundo DIS, que detinha um percentual de seus direitos econômicos derivados de seus direitos federativos” e que entrou com ação contra o jogador e Rosell.

O segundo crime, a fraude, tem a ver com o fato de que, na contratação de Neymar, teria sido falseado o valor da transferência do Santos para o Barcelona. Oficialmente, declararam-se 17,1 milhões, sendo que o valor foi, de fato, de pelo menos 25 milhões de euros. À DIS, empresa proprietária dos direitos de Neymar, correspondiam 40% dos direitos decorrentes dessa operação. Com a suposta fraude, ela teria deixado de receber, assim, 3,16 milhões de euros. “Estaríamos diante de um golpe que pode ser tipificado como fraude, na modalidade de simulação de contrato”.

MAIS INFORMAÇÕES