Oceano Pacífico

Descoberta a Zelândia, um enorme continente submerso no Pacífico

Território tem 4,9 milhões de quilômetros quadrados e suas áreas visíveis são a Nova Zelândia e a Nova Caledônia

Zealandia, nome dado em inglês ao continente descoberto sob a Nova Zelândia (Zelândia, em português).
Zealandia, nome dado em inglês ao continente descoberto sob a Nova Zelândia (Zelândia, em português).

Há pouco mais de dez anos, Plutão perdeu seu status de planeta e mudou o que vinha sendo ensinado nas escolas durante décadas. Agora é possível que os livros de ciência tenham de acrescentar mais um continente – quase totalmente submerso nas águas do sudeste do Pacífico – a seus mapas. Somente suas montanhas mais altas, 6% de seu território, aparecem acima do nível do mar: são a Nova Zelândia e a Nova Caledônia. Cientistas do instituto neozelandês GNS Science publicaram a descoberta da Zelândia (ou Zealandia em inglês) na revista da Sociedade Geológica da América (GSA), duas semanas depois de serem encontrados vestígios de outro continente sob o oceano Índico. A Zelândia cobre uma área de 4,9 milhões de quilômetros quadrados que inclui a Nova Zelândia (com uma extensão de 268.280 quilômetros quadrados) e a Nova Caledônia (com 232.000 quilômetros quadrados).

A equipe do GNS Science pesquisa o tema há 20 anos, mas só agora conseguiu comprovar, com dados coletados por satélites, que a Zelândia reúne as condições necessárias para ser classificada como continente: elevação sobre a zona circundante, geologia distintiva, uma área bem definida e uma crosta mais espessa que a do leito oceânico normal. Segundo o estudo, as bordas da crosta continental da Austrália e do “novo” continente chegam a ter uma distância de apenas 25 quilômetros entre si.

Mais informações

Os pesquisadores afirmam que a Zelândia se formou depois da desintegração do supercontinente Gondwana, entre 85 milhões de anos e 30 milhões de anos atrás. “Há 30 milhões de anos, o continente estava em submersão máxima: existem formações calcárias por toda parte. Desde então, a convergência ao longo da fronteira das placas do Pacífico e da Austrália elevou as partes da Zelândia que formaram as ilhas da Nova Zelândia”, explica Nick Mortimer, chefe da pesquisa.

O geólogo defende que a importância da Zelândia vai acrescentar um nome à lista de continentes. “É o menor e mais fino continente já encontrado, e o fato de estar tão submerso, mas não fragmentado o torna útil para explorar a coesão e desintegração da crosta continental”, afirma. Mortimer também explica que a Zelândia proporciona um novo contexto de “uma terra que diminuiu e afundou sob as ondas” para os estudos de biologia evolutiva, que podem explicar as origens da flora e fauna endêmicas da Nova Zelândia e Nova Caledônia.

Segundo o conjunto de dados dos satélites e navios de pesquisa que mapeiam todo o planeta, não existe nenhum outro lugar para ocultar um continente submerso, pelo menos não um tão grande como o encontrado pelos cientistas neozelandeses. “É possível que sejam encontrados microcontinentes, especialmente no oceano Índico, mas não continentes”, escrevem os pesquisadores.

Para a Zelândia ser reconhecido pela comunidade científica não é preciso apelar a nenhum organismo, nem há uma lista oficial dos continentes existentes – alguns geólogos afirmam que são quatro, enquanto outros defendem que são sete –. O trabalho de Mortimer e sua equipe será validado quando outros cientistas começarem a mencioná-lo em suas pesquisas. “Nós gostaríamos que reconhecessem que mostrar essa parte remota do Pacífico com um continente submerso é mais preciso e informativo do ponto de vista geológico dp que o panorama anterior. Gostaríamos de vê-lo no mapa-múndi”, diz o geólogo.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete