Federer se classifica para a sonhada final do Aberto da Austrália

Suíço se impõe contra o compatriota Wawrinka em um jogo de mais de três horas, numa vitória por 3 sets a 2

Federer comemora a vitória na semifinal contra Wawrinka.
Federer comemora a vitória na semifinal contra Wawrinka.MADE NAGI (EFE)

Roger Federer fez a sua parte. Quer dizer, para aqueles que gostariam de uma final entre ele e Rafael Nadal, um retorno da gloriosa rivalidade do passado, já contam com a classificação do suíço para a final do próximo domingo em Melbourne. Federer, 35 anos, parou o tempo mais uma vez. Bateu Stan Wawrinka por 7-5, 6-3, 1-6, 4-6 e 6-3, em 3h04m, em um encontro claramente dividido em dois momentos. Wawrinka se propôs a fazer um jogo de pôquer, com blefes e falsas aparências, e teve também as suas chances, mas, no conjunto, Federer foi mais sólido e irá disputar agora o seu 18º título de Grande Slam, o quinto do Aberto da Austrália. Resta saber quem será seu adversário: Nadal, para completar o melhor cenário que se espera, ou Grigor Dimitrov, seu filho tenístico.

Mais informações

Do ponto de vista estético, o encontro foi saboroso. No Dia Nacional da Austrália, reunir o backhand de Federer e o de Wawrinka é uma ótima maneira de embelezar a festa do país. Um mais suave, o outro mais incisivo. Ambos fabulosos, de todo modo. Nos dois primeiros sets, foi o primeiro que se impôs. Federer estava em um desses dias em que parece bailar no ar, sem pisar no chão, como Fred Astaire. Rápido no jogo de pernas e perfeito no voleio, encurralou Wawrinka, que custou a se recompor no jogo e que, no primeiro set falhou quando não devia, com três erros que resultaram em quebra de serviço e estimularam seu adversário.

Houve a sensação, por alguns instantes, de que Wawrinka jogava com uma cautela excessiva por causa do respeito reverencial que tem em relação a Federer. Os dois suíços são bons amigos e já compartilharam inúmeras experiências, e Wawrinka tem consciência daquilo que o seu compatriota representa em seu país e para o tênis. De alguma maneira, Stan sempre atuou à sombra de Federer, fizesse o que fizesse. E foi isso que aconteceu na primeira metade deste último confronto. O vencedor de 17 Grand Slams acentuou sua vantagem com uma quebra de serviço para 4-2 no segundo set. Wawrinka já tinha começado a se desconsertar e não recebeu bem o golpe. Apoiou a raquete no chão da quadra e depois a quebrou com o joelho.

De alguma maneira, esse comportamento negativo serviu para aliviá-lo. Do meio do público, alguém expressou sua preferência, totalmente alheia ao que ocorria em quadra. “Vamos, Rafa!”, ouviu-se, com um sotaque inglês. E isso acabou por tocar Stan a fundo, porque, enquanto a maioria torcia por uma final entre Nadal e Federer, ele queria se defender e exigir a sua cota de protagonismo. Stan merece respeito. Três títulos de Grand Slam, sendo o primeiro deles justamente em Melbourne, três anos atrás (2014), batendo exatamente Nadal. Merece realmente respeito esse homem imprevisível, que já se mostrou capaz de derrotar todo o Big Four: Federer, Nadal, Djokovic e Murray. Ele ainda, com certeza, oporia muita resistência.

Federer: 28ª final de Grand Slam, a sexta em Melbourne

Wawrinka e Federer cumprimentam-se depois do jogo desta quinta-feira, em Melbourne.
Wawrinka e Federer cumprimentam-se depois do jogo desta quinta-feira, em Melbourne.Scott Barbour (Getty)

Quando era maior a sensação de que ele já estava fora da partida, desligado e batido, passivo, com dois sets a menos e com uma bandagem no joelho direito, Wawrinka voltou à tona e respondeu à altura. Fez a sua primeira quebra depois de 98 minutos e ganhou o terceiro set em 26 minutos. Foi Federer, então, que teve uma baixa. Durante meia hora, foi totalmente controlado pelo amigo, como se estivesse cochilando, um pequeno passeio para respirar. Wawrinka o pressionou logo de cara com uma quebra de serviço no quarto game, mas Roger replicou imediatamente. A partir daí, só igualdade: 2-2, 3-3, 4-4... e aquele que muitos já davam como vencido, ou seja, Stan The Man, o tenista que joga sempre com uma carta na manga, promoveu uma virada. Break, set 2-2. Quem poderia imaginar isso um pouco antes, quando Federer dançava na quadra e seu adversário parecia deambular com sua camisa e seu nariz cor-de-rosa? Stan é assim.

O último troféu de Roger em Melbourne, onde perdeu só uma final, foi em 2010

Federer, raposa velha, saiu para o vestiário, e o jogo teve uma parada de nove minutos. Enquanto isso, Wawrinka se aquecia, para não perder o pique. Incerteza e um apenas um set pela frente para que se decidisse se a grande final desejada pelos mais românticos ficaria mais próxima, com apenas 50% de espera no caso de Nadal, ou se Stan daria um incremento a mais na mística e se colocaria na disputa pelo seu quarto Grand Slam. Pressão de todos os lados. Wawrika se mostrou superior na guerra de backhands, mas Federer compensava com a direita e subindo à rede. Os dois deram tudo o que podiam, mais uma vez, nenhum cedia (1-1, 2-2, 3-2...), até que Wawrinka deu um passo em falso, cometeu uma dupla-falta e entregou o sexto game.

Federer viu isso com clareza. O que não se pode dizer de sua mulher, Mirka, sempre angustiada e nervosa. 5-2, a um passo do objetivo final. 5-3 e Federer servia pela vitória e para satisfazer a torcida da Rod Laver, toda sua. Deu início, então, à sequência final: 30-0, a apenas dois pontos; 40-0, a apenas um suspiro; e, por fim, uma devolução longa demais de Wawrinka. A quadra central explode. Federer, 35 anos, seis meses longe das quadras, estará na final em seu centésimo jogo em Melbourne. Será a 28ª que ele disputará em um Grand Slam, a sexta na Austrália. Seu último troféu ali foi em 2010, e ele só perdeu uma, contra Nadal, em 2009. “Eu sou hoje provavelmente o fã número um de Rafa”, disse.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: