Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Um ‘Brexit’ autodestrutivo

O Governo de May fica quase sem especialistas em Europa, poucas semanas depois de iniciar o processo de sua saída

Theresa May durante uma visita a uma instituição em Londres.
Theresa May durante uma visita a uma instituição em Londres.STEVE PARSONS (AFP)

A recente renúncia de Sir Ivan Rogers como representante permanente (embaixador) na UE não é uma história diplomática sem importância. É um símbolo categórico da capacidade autodestrutiva do Brexit para o Reino Unido.

Mais informações

Rogers era um diplomata independente, tinha trabalhado com ministros europeístas e com o eurocético David Cameron para obter um acordo especial de permanência com a UE, e conseguiu. E era um dos poucos conhecedores em seu país do funcionamento e dos personagens da UE, preparação fundamental para evitar que o Brexit acabe sendo tão desajeitado e lesivo como já está sendo prejudicial.

Rogers renunciou pela pressão dos brexiters mais radicais. Usaram o vazamento de seu relatório discreto ao Governo no qual argumentava que qualquer novo acordo com a UE vai precisar de uma década de negociação, para atacá-lo e repreendê-lo.

Londres fica assim quase sem especialistas em Europa, a poucas semanas do início das negociações de sua saída. Este déficit é somado à total falta de técnicos experientes em negociar acordos comerciais, tarefa que a UE realizava para o Reino Unido (e outros sócios) desde sua integração.

A falta de profissionais credenciados no Governo May agrava sua bússola inexistente no Brexit: o próprio Rogers reconheceu que ignorava os objetivos concretos da operação. Dificilmente poderia conhecê-los, porque não existem, tirando a demagogia chauvinista e xenófoba.

Até agora o Brexit estava corroendo a economia britânica: o colapso da libra não impulsionou as exportações, relegando-as ao pior lugar entre as grandes economias. Politicamente, dividiu a sociedade e criou tensão na unidade dos reinos e territórios que compõem o país. Agora, esmaga a tradicional neutralidade e independência da Administração e seus funcionários em relação ao Governo. Assim, o Brexit está desfigurando e distorcendo o Estado britânico, em detrimento principalmente de seus cidadãos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: