Seleccione Edição
Login

Caos na Venezuela

Maduro precisa urgentemente abrir um processo de transição

Supermercado saqueado em Ciudad Bolivar (Venezuela), em 19 de dezembro de 2016.
Supermercado saqueado em Ciudad Bolivar (Venezuela), em 19 de dezembro de 2016. AFP

A cada dia que passa, o Governo da Venezuela dá mais um passo em direção ao abismo. Já não se trata apenas do fanatismo ideológico de Nicolás Maduro e seus acólitos, que conseguiu dividir os venezuelanos, destruir seu aparelho produtivo e mandar para a prisão os principais opositores mediante julgamentos fraudulentos baseados em provas forjadas. Trata-se, além disso, da incompetência manifesta do Governo ao administrar até mesmo aqueles aspectos da realidade que ainda permanecem, ao menos em tese, sob seu controle.

Como mostrou o caos gerado pela decisão de substituir as notas de 100 bolívares por notas de 500, a capacidade do regime de Maduro de infligir sofrimento aos venezuelanos não parece ter fim, enquanto volta a responsabilizar outros por um caos que só ele e sua incompetência geraram.

A Venezuela é, hoje, um completo desastre econômico, político e de segurança onde a criminalidade, a corrupção, o contrabando e os saques estão na ordem do dia. Os venezuelanos não merecem um Governo como o de Maduro, que além de cercear as liberdades políticas e civis, destruiu a economia e provocou um duplo desabastecimento, de alimentos e remédios, que desenha um imenso paradoxo: o de um país rico em recursos petrolíferos mergulhado em uma gravíssima crise social e política.

Lester Toledo, um dos fundadores da Vontade Popular, afirma hoje no EL PAÍS que “a comunidade internacional não pode continuar acreditando que a Venezuela é um país normal”. Urge, por isso, que o Governo reconheça que a capacidade de sofrimento da população se esgotou e que, com a ajuda de mediadores internacionais, incluído o Vaticano, abra espaço para um processo de transição que devolva logo aos venezuelanos os alimentos, os remédios, a segurança e a liberdade.

MAIS INFORMAÇÕES