_
_
_
_

Juiz manda soltar um dos protagonistas de ‘Making a Murderer’

Brendan Dassey foi condenado a prisão perpétua por ajudar o tio a assassinar uma mulher em 2005

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Um juiz norte-americano ordenou a libertação de Brendan Dassey, condenado a prisão perpétua por ajudar seu tio Steven Avery, o protagonista da série documental Making a Murderer, a matar uma mulher em 2005. O magistrado, William Duffin, já anulara em agosto a sentença contra Dassey. Agora, ao considerar que existe baixo risco de fuga, ordenou colocá-lo em liberdade enquanto espera que a Justiça delibere sobre os recursos pendentes ou que um novo julgamento seja realizado.

As autoridades “não puderam demonstrar que Dassey representa um perigo presente para a comunidade”, afirmou Duffin em sua decisão, enfatizando que o comportamento do jovem no presídio “é muito benigno”.

Mais informações
‘Making a Murderer’: crimes reais voltam às séries
Novo telespectador de séries muda hábitos de consumo

O juiz tomou a decisão um ano após o lançamento, pelo Netflix, da série de 10 episódios Making a Murderer, sobre os imbróglios de Avery na Justiça, que também salpicaram seu sobrinho.

Dassey confessou, durante a detenção, ter ajudado o tio a estuprar e assassinar em 2005 a jovem fotógrafa Teresa Halbach, que foi vista pela última vez numa empresa familiar dos Avery em Wiscosin, um ferro-velho onde ela havia feito fotos. Ambos foram condenados a prisão perpétua num processo que, segundo a série, foi marcado por irregularidades. No caso contra Dassey, a investigação baseou-se somente em sua confissão. Mas o DNA de Avery foi encontrado na cena do crime.

Na anulação da sentença decretada em agosto, o juiz Duffin criticou as instâncias que intervieram no processo, especialmente os investigadores que prometeram a Dassey — na época com 16 anos e um diagnóstico de retardo mental — que ele não tinha nada para se preocupar enquanto o interrogavam. “Essas constantes falsas promessas, consideradas em conjunto com outros fatores pertinentes, como a idade de Dassey, seu déficit intelectual e a falta de apoio de um adulto (em todo o processo), levaram a uma confissão involuntária”, disse o juiz, deixando claro que os “direitos constitucionais” do jovem “foram violados”.

O caso de Avery chama especialmente a atenção, pois, antes do assassinato pelo qual foi condenado a prisão perpétua, ele já havia permanecido 18 anos atrás das grades por um crime que não cometeu.

Em 2005, apenas dois anos após sair da prisão, e enquanto Avery reivindicava uma milionária indenização ao condado de Manitowoc (Wiscosin), foi detido de novo — desta vez pelo assassinato de Halbach, do qual sempre se declarou inocente.

A série, criticada pelos promotores por ser parcial, gerou muita polêmica. O próprio presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebeu pedidos de indulto e esclareceu que sua autoridade no caso é nula, já que pertence à Justiça estatal de Wiscosin.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_