Coluna
i

Método Leonard Cohen para aprender a amar

Não se faz mais um homem devoto às mulheres como Leonard Cohen. Ou talvez se refaça este homem a partir de agora

Leonard Cohen no Festival de Beincassim, em 2008.
Leonard Cohen no Festival de Beincassim, em 2008.DIEGO TUSON (AFP)

Não se faz mais um homem devoto às mulheres como Leonard Cohen. Ou talvez se refaça este homem a partir de agora. Ficou o legado. Mire-se no exemplo. Tentaremos segui-lo, pés descalços sobre a brasa ou gelo. Como um sabiá mutante na madruga da Pompeia, SP, lembrará logo mais aos insones e boêmios a velha ideia do acasalamento.

MAIS INFORMAÇÕES

Fica a lição de um autêntico e absoluto trovador do miocárdio, sopra o amigo Eduardo Beu, em seu trago de despedida. Um daqueles passionais Mc´s que partem desta sempre no dia 10 do 11, como Rimbaud ou o nosso tropico-existencialista Torquato Neto. E lá se foi o cara fazer amor com sua Marianne em uma vida secreta.

Ele é o nosso cara, rapazes, na hora de reaprender a amar as raparigas. Perfeito para estes tempos de homens vacilões. Homens que fazem mil ensaios de enlace e, na hora agá, somente plantam promessas de romance para colher nudes egoístas. Que fracos!

Cohen nos ensinou a amar como um pássaro no fio, como um bêbado no coral da meia-noite. Está aí, meninos, o legado da coragem de dizer “I'm Your Man” e fazer do bendito uma missão de existência. Se quiser um parceiro, toma a minha mão, convoca mr. Leonard. Ah, se quiser me derrubar de raiva ou ira provisória, eu também sou teu homem. Vamos reaprender com o trovador do miocárdio.

À vitrola do youtube já, meus jovens, cante comigo no meu inglês do deserto semiárido:

“If you want a lover

I'll do anything you ask me to

And if you want another kind of love

I'll wear a mask for you...”

Vale todo sacrifício, moço, faça sorrindo o que ela pede chorando — aqui em uma livre tradução da letra do velho poeta canadense para a filosofia de para-choque de caminhão do nordwest brasileiro. E se ela quiser outra forma de amor, vista a máscara ou carapuça de um cavalheiro destemido.

O importante é levar adiante a lição de mr. Leonard Cohen. Dance até gastar a sola do sapato, dance em situação de pânico amoroso diante de uma possível negativa ou sob a crença de uma promessa de felicidade. À vitrola do youtube mais uma vez, meu rapaz: Dance me to the end of love. Escute e convoque a respeitável dama para riscar o taco da sala na coreografia improvisada de quem desligou o smartphone para ver estrelas.

E quando houver adeus, lembre-se da canção So long, Marianne, vá até a janela e ria e chore sobre tudo aquilo. Chore tanto a parte da urgência amorosa quanto a parte que a gente amplia e inventa para ficar mais dramaticamente sofrido. Abra um vinho de 35 reais no máximo — a dor de um amor de verdade nunca harmoniza com o mundo gourmet, muito menos com o sentimento da arrogância do bouquet.

Quanto mais beire o aroma da jurubeba (beba, beba), melhor. Então reze para que venha aquela chuva que cai no filme Un homme et une femme (1966). Gaste todo o sofrimento, amigo, assim como Leonard faz na vida eterna agorinha mesmo por Marianne — repare que amor bonito nesta reportagem do EL PAÍS.

O importante é considerar o legado do cara, nosso homem pedagógico para meninos ou meninas. Temos muito o que aprender nesse intensivão nada fúnebre e muito celebrativo. Gastemos a vitrola real ou a da busca no Youtube. O poeta sabe sua hora. Estava de partida, conforme deu a letra do disco derradeiro.

And if you want to work the street alone/ I'll disappear for you”. Desapareça por ela, quando a mina simplesmente quiser sair por aí (deboas?), quando ela deitar no parque ou na praia e tentar ler o livrão das nuvens para ter ideia das novas tatuagens.

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de Se um cão vadio aos pés de uma mulher-abismo, entre outros livros.

Arquivado Em: