Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

O novo sempre vem, caro Belchior

A grande alucinação é resistir às medidas enfiadas goela abaixo, como a reforma do ensino médio da qual tratou Ana Júlia

llustração do designer Marcos Paulo Drumond.
llustração do designer Marcos Paulo Drumond.Instagram @mpdrumond

*Esta coluna foi publicada no dia 28 de outubro de 2016.

Mais informações

O novo sempre vem, como na canção de Belchior, 70, o aniversariante da semana, por mais que você ame o passado e não veja, por mais que vote em ninguém e esteja desiludido à esquerda e à direita, por mais que você surfe na crista da onda conservadora que varre o Brasil inteiro...

O novo sempre vem, como veio, depois da ressaca do golpismo, na voz da menina Ana Júlia, passando um pito histórico nos nobres parlamentares em Curitiba, repare que fala pedagógica sobre a ocupação das escolas... O futuro é mulher e virá com as meninas. O futuro está na classe da Ana Júlia, não na escola para formar princesas.

Por mais que sufoquem os estudantes, como na imagem deprimente dos meninos com algemas, por mais que os Mendoncinhas da vida demonizem o livre pensamento e implantem a didática do dedo-duro nos colégios... O novo sempre vem, o poeta Ademir Assunção me dá o mote e o mantra, vejo aqui na sua página, que começa por Araraquara, passa por Londrina e margeia toda São Paulo.

O novo não está na pouca idade dos jovens do MBL, o tal Movimento Brasil Livre, que agora servem de milícia informal contra as escolas ocupadas; o nome disso é fascismo, algo tão envelhecido quanto a grappa do Mussolini, vade retro, sarava, pé-de-pato da Fiesp, mangalô três vezes.

Desculpa o desabafo, meu caro Belchior, é que esse noticiário, o atraso em moto-continuo, se é que isso é possível, deixa a gente meio maluco, preferia falar de amenidades, filosofia, um comentário a respeito de John, a felicidade como uma arma quente e tantas outras citações e delírios na ponte Sobral/Liverpool das afinidades eletivas.

Mas eu não estou interessado, em nenhuma teoria... Amar e mudar as coisas, me interessa mais. Como faz essa rapaziada das ocupações, mais de mil escolas no Brasil inteiro, apesar do sufoco da polícia, do gás pimenta, lacrimogêneo, cassetetes e tantos outros efeitos morais.

A grande alucinação, meu caro cearense do mundo, é suportar o dia a dia, resistir às medidas enfiadas goela abaixo, como a reforma do ensino médio da qual tratou a menina Ana Júlia... Vale o baque e o corpo a corpo com as ditas coisas reais, vale quanto pesa a consciência na mochila.

Vale a luta e vale o beijo na ocupação do desejo, a revolução dos hormônios toda pela frente, sim, amigo Antônio Carlos Belchior, amor já é outra viagem, bem sabemos como a vida nos violenta, na curva à direita e na curva à esquerda, um beijo de parabéns, velho forasteiro de si mesmo, que a terra nos seja leve e até a próxima, mas não esqueça, coração, este lado para cima, cuidado, é frágil.

Xico Sá, escritor e jornalista, é autor de “Se um cão vadio aos pés de uma mulher-abismo” (editora Fina Flor), entre outros livros. Na televisão, é comentarista dos programas “Papo de Segunda” (GNT) e “Redação Sportv”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: