Assembleia Geral da ONU referenda Antonio Guterres como novo secretário-geral

Mandato de cinco anos terá grandes desafios, como a guerra na Síria e a própria reforma da ONU

Ban Ki-moon abraça Antonio Gtuterres, seu sucessor como secretário-geral da ONU.
Ban Ki-moon abraça Antonio Gtuterres, seu sucessor como secretário-geral da ONU.LUCAS JACKSON (REUTERS)

A Assembleia Geral das Nações Unidas referendou por aclamação nesta quinta-feira o político português Antonio Guterres como secretário-geral da organização, como sucessor do sul-coreano Ban Ki-moon. Em discurso à Assembleia, Guterres descreveu a ONU como a principal instância de “diplomacia para a paz" e se comprometeu a exercer seu cargo para todos os membros da organização.

Ele tem pela frente um mandato de cinco anos infestado de incêndios – como a divisão das grandes potências por causa da guerra da Síria – e desafios, entre eles a reforma da própria organização, nascida há 71 anos. "Quando estudava história no colégio, as guerras acabavam com vencedores, agora só há perdedores, as guerras duram, se inter-relacionam e fomentam o ódio e o terrorismo”, lamentou o futuro chefe das Nações Unidas.

Mais informações

Guterres “é a opção perfeita para aproveitar os progressos obtidos no passado e confrontar os desafios e incertezas do futuro”, afirmou durante a reunião o atual secretário-geral, Ban, que chegou ao cargo em 2006 e cumpriu dois mandatos. O político português é bem avaliado especialmente por seus dotes diplomáticos e por seu trabalho até alguns meses atrás como diretor da Agência da ONU para os refugiados.

Guterres foi proposto na semana passada pelo Conselho de Segurança, o órgão que tem o verdadeiro poder da nomeação, e comandará a organização a partir do primeiro dia de 2017. A campanha para o nono chefe da instituição fosse finalmente uma mulher não frutificou. “Guterres acabou sendo o melhor candidato dentro deste processo histórico”, disse o presidente da Assembleia Geral, Peter Thomson.

Foi a eleição mais transparente até hoje, com propaganda dos candidatos existentes – havia 13 – e sabatinas com eles, embora o poder estivesse de fato nas mãos dos cinco membros permanentes do Conselho (Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China), que têm poder de veto.

Samantha Power, embaixadora dos EUA, comentou com humor que “ser mulher não é uma das muitas virtudes do senhor Guterres”, mas confiou em que ele cumprirá sua promessa de equilibrar a presença masculina e feminina numa organização controlada basicamente por homens. Dos 189 representantes nacionais, apenas 37 são mulheres; e, entre os membros do Conselho de Segurança, só há uma embaixadora, justamente Power.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: