Brasil deu um “exemplo ao mundo” com a destituição de Dilma, diz Temer na ONU

Presidente foi o primeiro a discursar nesta terça em Nova York, onde defendeu a reforma do Conselho de Segurança da organização

Mais informações

“O exemplo que demos ao mundo demonstra que não pode existir democracia sem Estado de Direito, ou seja, que as leis são aplicadas a todos, incluindo os mais poderosos. É isso que o Brasil está demonstrando ao mundo”, disse Temer. O Brasil, como é tradição, foi o primeiro a falar na reunião anual da ONU em Nova York.

O presidente deixou para o final de seu discurso as referências ao impeachment de Dilma, de quem era vice-presidente e que foi retirada do cargo no começo do mês. Temer frisou o “compromisso inquebrantável” do Brasil com a democracia e definiu como “longo e complexo” o processo de destituição, mas enfatizou que ocorreu em “absoluto respeito” à ordem constitucional e levado por uma justiça independente.

Temer, que tem dois anos de presidência pela frente, vendeu uma imagem otimista do Brasil, sacudido pela instabilidade política e econômica. “A confiança está sendo restabelecida, está surgindo um horizonte mais próspero”, disse após defender o “rumo de responsabilidade fiscal e social” de seu Governo.

A mensagem de esperança sobre o país contrastou com a sua visão sombria do panorama mundial. Deu como exemplo os Jogos Olímpicos realizados no Rio de Janeiro em agosto: “Em um mundo marcado pelo medo e o sectarismo, os Jogos demonstraram que as nações podem se juntar em paz e harmonia”, disse.

Temer não é a única das novas vozes da política latino-americana a estrear na ONU. Na terça-feira, o presidente argentino, Mauricio Macri, eleito em novembro, e o peruano, Pedro Pablo Kuczynski, eleito em junho, também pronunciam seus discursos na Assembleia Geral.