Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

ONG denuncia Alckmin na ONU por repressão da PM em atos contra Temer

Conectas também criticou prisões ilegais de jovens em manifestação em São Paulo e infiltração de agente do exército

Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.
Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Agência Brasil

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, foi alvo na tarde desta segunda-feira de uma denúncia no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU), em Genebra, por conta da repressão da Polícia Militar contra manifestantes contrários ao Governo de Michel Temer.

A ONG Conectas Direitos Humanos se pronunciou diante do Conselho da ONU, pedindo que a entidade se pronuncie "contra a postura do país". Segundo a organização, a violência da PM fez várias vítimas nas últimas semanas, entre elas a estudante Deborah Fabri, de 19 anos, atingida no olho esquerdo por estilhaços de uma bomba. Deborah perdeu a visão do olho.

Em seu discurso, a ONG alertou que quatro dias após o episódio envolvendo Deborah, a PM realizou uma operação detendo 26 jovens,sendo 8 menores de idade. No episódio, os jovens foram deixados incomunicáveis por 6 horas, sem contato com as famílias ou advogados. A detenção foi declarada ilegal pela Justiça. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo afirmou na época, por meio de nota, que o grupo foi levado pela polícia porque portava “máscaras e pedras”.

A ONG também condenou a presença de um capitão do Exército, que teria se infiltrado no grupo detido. "Essa prática remete às épocas mais obscuras da história de nossa região. A sociedade e a comunidade internacional devem reagir condenado o fato com veemência".

A Conectas criticou também o crescente "processo de criminalização do direito de protesto no Brasil". "Pedimos que este Conselho se pronuncie contra a restrição ilegítima do direito de protesto no Brasil e que o Alto Comissariado incida para evitar esse retrocesso de valor imensurável", declarou a ONG.  Ainda segundo a Conectas, o governo brasileiro solicitou um direito de resposta e afirmou que os incidentes estão sendo investigados pelas autoridades competentes.

A Polícia Militar tem reiterado que não houve excessos nas ações dos policiais nos últimos protestos contra o Governo Temer. No início do mês, o próprio governador Geraldo Alckmin negou a violência: "O fato é que tem depredação e ainda quer passar a história de que a polícia que é culpada", afirmou.

MAIS INFORMAÇÕES