Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

PM: militar apontado como infiltrado não foi preso por falta de “indícios”

Capitão do Exército foi o único a não ser encaminhado com grupo de manifestantes detido

Governo Alckmin nega saber de operação de inteligência relacionada aos protestos

Willian Pina Botelho
Willian Pina Botelho entre os detidos em 4 de setembro.

Três dias depois de ser questionada, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou nesta quinta-feira que o capitão do Exército Willian Botelho, apontado como infiltrado em um grupo de manifestantes na capital, não foi detido, à diferença de todos a quem ele acompanhava rumo a um ato contra o Governo Temer no domingo dia 4. O motivo, segundo nota da secretaria, é que "não foram encontrados indícios de seu envolvimento em ações ilícitas". Botelho, que se apresentava com o nome de Balta Nunes nas redes, é ligado à área de inteligência do Exército, que desde sábado afirmou que apura as "circunstâncias" da presença do militar entres os manifestantes.

O Governo Alckmin nega saber de qualquer operação de inteligência e monitoramento envolvendo o oficial, mas a resposta tardia em relação ao paradeiro de Botelho não convence ativistas que acompanham o caso. A informação de que não houve detenção do militar, que aparece em imagens sendo revistado com um grupo de 21 manifestantes que seria preso momentos depois, contradiz o que próprio Botelho disse logo depois da abordagem.

Ainda sob o pseudônimo de Balta Nunes, Botelho afirmou por meio das redes sociais que havia sido levado para outra delegacia, porque portava um documento falso. Disse também que nesta delegacia, que ele afirmou não se lembrar onde fica, ele pagou 1.200 reais para o delegado que o liberou em seguida. Enquanto isso, todos revistados ao seu lado foram encaminhados para a Delegacia de Investigações Criminais (Deic), onde ficaram por quase 24 horas.

"Com este indivíduo não foi encontrado nenhum material, sendo certo também que não se enquadrava do mesmo perfil daqueles que portavam os objetos apreendidos", dizia a nota, enviada três dias após o questionamento da reportagem.

Diálogo em que Botelho, usando o nome de Balta, relata que foi preso e liberado após pagamento.
Diálogo em que Botelho, usando o nome de Balta, relata que foi preso e liberado após pagamento.

Com os manifestantes detidos naquele domingo, a polícia encontrou material de primeiros socorros, pilhas, lanternas, capacetes, máscara usada em construção civil e um extintor de incêndio. O grupo  não tinha passagem pela polícia, não se assumiu como adepto da tática black bloc e não fazia parte de alguma organização ou partido. As detenções foram consideradas irregulares pelo juiz Paulo Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, que afirmou que o Estado não poderia legitimar  "prisão para averiguação".

Exército e Ministério Público

Na segunda-feira, o Ministério Público de São Paulo anunciou que vai apurar o caso da possível infiltração de um militar entre manifestantes. O Exército não forneceu novas informações sobre o processo administrativo criado para apurar o caso.

MAIS INFORMAÇÕES