Pelo quarto dia, manifestantes vão às ruas contra Temer em SP e PM usa bomba para dispersar

Protestos contra novo Governo aconteceram em diversas capitais do país

Manifestantes manifestações contra Temer em SP
Polícia Militar reprime manifestação contra Temer em São Paulo. REUTERS

Os protestos contra o presidente Michel Temer voltaram a se repetir nesta quinta-feira em São Paulo, um dia após ele tomar posse, e novamente terminaram com bombas da polícia para dispersar os manifestantes. Aos gritos de “Fora Temer”, jovens se reuniram na avenida Paulista para protestar contra o presidente, e também para fazer um gesto de solidariedade à estudante Deborah Fabri, de 19 anos, atingida no olho esquerdo por estilhaços de uma bomba lançada pela Polícia Militar um dia antes. Deborah perdeu a visão do olho.

O ato, o quarto consecutivo, contou com menos manifestantes e mais policiais que no dia anterior. Os jovens ocupavam metade de um quarteirão da Paulista. Começou às 18h com uma concentração no Museu de Arte de São Paulo (Masp). Os manifestantes, a maioria estudantes, seguiram primeiro em direção à Praça dos Ciclistas, próximo à esquina com a avenida Consolação, de forma pacífica, com o grupo ocupando menos de um quarteirão da avenida. Chegando lá,  decidiram seguir para a sede estadual do PMDB, nas proximidades, mas foram impedidos pela PM, que fechou todas as alternativas de saída, posicionando policiais armados em todas as ruas transversais. A presença dos helicópteros da PM também era constante. A polícia autorizou somente que a manifestação seguisse para a praça da República, no Centro, e liberou apenas o acesso à rua da Consolação.

A repressão, no entanto, começou quando os jovens chegaram na esquina da Avenida Nove de Julho com a rua João Adolfo, por volta das 21h55, depois que um pequeno grupo passou a atear fogo em uma caçamba de lixo. Segundo alguns jovens que seguiam na marcha, um dos manifestantes, que estava encapuzado, disparou um rojão contra os policiais. A PM reagiu em seguida com bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral, o que acabou dispersando os manifestantes. Uma bomba foi jogada pela polícia na Praça Roosevelt, onde há teatros e bares e onde já não se encontravam manifestantes. Pelo terceiro dia consecutivo, uma parte do grupo seguiu até o prédio do jornal Folha de S. Paulo, na rua Barão de Limeira, e pichou novamente o portão de entrada do edifício.

A PM não informou se algum manifestante foi detido nem quantas pessoas participaram do protesto, que foi convocado principalmente pelas redes sociais e pelo coletivo União da Juventude Rebelião. Segundo o Grupo de Apoio ao Protesto Popular (Gapp), uma mulher asmática teve de ser atendida após passar mal em razão do gás lançado pela polícia na região da avenida Nove de Julho.

Entre o MASP e a rua da Consolação, a marcha foi seguida a pé com alguns PM, entre eles o Major Fiyu que negociava pacificamente com os jovens para entender o trajeto. “Queremos evitar incidentes como o de ontem [quarta-feira, quando a estudante Débora perdeu a vista]”, disse ele ao EL PAÍS. Integrantes de coletivos independentes formados recentemente, como o Luta pela Democracia e Coletivo pela Democracia, e o Poema (Política Monetária para a Maioria), estavam presentes. “Vamos fazer protestos quase todos os dias”, afirmou David Villalva, do Luta pela Democracia. Integrantes do Poema estavam na rua para divulgar sua proposta de reforma fiscal que ataque grandes sonegadores.

No trajeto de quase duas horas, os manifestantes entoaram gritos de "fora, Temer" e contra a polícia militar. Vários cartazes pediam "Diretas Já". “Quero novas eleições porque este processo de impeachment não é legítimo”, disse Cauã, estudante de comunicação.

Um grito constante ao longo da marcha era o de "Debora presente", a estudante ferida no protesto de quarta-feira, que perdeu a visão do olho esquerdo. O grupo chegou a fazer uma pequena parada no exato local, onde ela foi atingida, na avenida da Consolação.

Outras cidades, como Porto Alegre, Curitiba e Londrina também tiveram protestos nesta quinta-feira pedindo a saída de Temer. Na capital paranaense também foram registrados incidentes com jovens mascarados jogando pedra em agências bancárias e pichando ônibus. Em Belo Horizonte, integrantes de movimentos sociais e estudantes protestaram nesta noite contra o processo de impeachment de Dilma Rousseff. A manifestação aconteceu do lado de fora de uma universidade que promovia um debate entre os onze candidatos à Prefeitura da capital mineira, segundo informações do jornal O Tempo.

Em São Paulo, uma nova manifestação está marcado para este domingo. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou, no entanto, que não vai permitir que ela seja na av. Paulista. Segundo o órgão, a via será usada para a passagem da tocha paralímpica.

Com informações de Carla Jiménez

MAIS INFORMAÇÕES