Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Sugata Mitra: “As provas não servem mais, são uma ameaça”

Professor da Universidade de Newcastle ganhou o Prêmio TED em 2013. Seu método de ensino é seguido em 50 países

Com uma ideia tão simples quanto colocar um grupo de estudantes para trabalhar com um único computador e sem professor supervisionando, Sugata Mitra (1952, Calcutá) ganhou em 2013 o Prêmio TED. Conseguiu, assim, chamar a atenção da mídia de todo o mundo e ganhou um milhão de dólares para lançar seu projeto SOLE (sigla em inglês para Self Organised Learning Environments), em português, ambientes de aprendizagem auto-organizados, que hoje é usado em escolas de 50 países. A palestra Construção de uma escola na nuvem, que já foi vista mais de 2,6 milhões de vezes, foi considerado pela TED – organização nascida em 1984 nos Estados Unidos para promover a tecnologia, educação e design – como a mais inspiradora do ano e com maior potencial para a mudança.

Na sua conferência de 20 minutos, este engenheiro, que trabalha como professor na Universidade de Newcastle, critica o atual sistema de ensino. Acredita que está baseado em um modelo que foi concebido há 300 anos, na era dos impérios, quando os governos formavam cidadãos idênticos para que funcionassem em qualquer ponto do planeta.

Para ele, a revolução educacional deve acabar com os programas acadêmicos para colocar a Internet no centro da aprendizagem. Também defende o fim das provas como ferramenta de avaliação. Simplesmente porque “o tempo das trincheiras acabou e os alunos não precisam mais aprender com a ameaça e o medo como uma constante”.

Pergunta: O senhor diz que os exames não são mais úteis, porque não permitem aos alunos pensarem com clareza. Já fez alguma pesquisa a respeito disso?

Resposta: Tenho provas científicas que foram contribuição da neurociência. No centro do nosso cérebro está o que chamamos de cérebro reptiliano e sua função é decidir a cada momento se queremos lutar ou fugir – escapar a uma situação. Embora não sejamos conscientes, estamos avaliando continuamente e quando você sente uma ameaça desliga outras partes do cérebro como o córtex pré-frontal, que desempenha um papel primordial na coordenação de pensamentos. As provas são percebidas como uma ameaça e, portanto, a criatividade fica bloqueada. Se você perguntar a um estudante o que pede seu corpo durante um exame, a resposta será sair correndo. O estresse o leva a pensar que não é o momento para grandes ideias.

Na era dos impérios era preciso pessoas treinadas para sobreviver sob ameaça, principalmente pelas guerras, argumenta Mitra em uma entrevista concedeu ao EL PAÍS por ocasião da sua visita à Espanha para o lançamento de seu método SOLE em três colégios de Madri, um público e dois semiprivados. “Hoje, o mundo funciona de outra maneira e temos que substituir o medo pelo prazer de aprender”, continua o idealizador de um modelo educacional que conta com o apoio econômico de gigantes como a Microsoft.

O estresse das provas leva os estudantes a pensarem que esse não é o momento para as grandes ideias

P: Na década de 90, trabalhava para uma empresa indiana de informática. Quando começou a se interessar pela educação?

R: Não foi premeditado. Eu estava encarregado de projetar programas de treinamento, mas acabei fazendo o contrário: mostrar que a tecnologia pode ser aprendida por conta própria. Nos anos noventa, éramos poucos que tinham computador em casa e um dia comentei a um grupo de amigos a facilidade com que nossos filhos mexiam com eles mesmo sem orientação. Como experiência, pensei em incorporar um computador em um muro de um bairro pobre em Nova Delhi para analisar a reação das crianças. Oito horas depois, estavam navegando pela rede e ensinando os outros a fazer o mesmo. Essas crianças nunca tinham ido à escola e não sabiam inglês. Fiz o mesmo teste em áreas remotas da Índia e com o apoio financeiro do Banco Mundial realizei a primeira pesquisa em 2002. A grande descoberta: um grupo de crianças sem qualquer supervisor e com acesso à Internet pode aprender em nove meses a usar um computador como qualquer secretário do Ocidente.

P: Como aplicou essa descoberta na sala de aula?

R: Anos depois, a Universidade de Newcastle me chamou para levar a experiência às escolas da Índia. Aí descobrimos que acontecia o mesmo com a matemática, a física e a arte; as crianças aprendiam sem as lições do professor, só trabalhando em grupos com um computador conectado à Internet. A única orientação que recebiam era uma grande questão que devia ser respondida. Por que chove? Uma professora de uma escola britânica entrou em contato comigo para levar o sistema ao seu colégio. Quando foi testado, os professores disseram que o impossível estava acontecendo; os meninos aprendiam sem um ensino dirigido. Não falavam sobre vantagens ou desvantagens, só que poderia ser feito. Nos países desenvolvidos, SOLE acaba com a rigidez do sistema, ajuda a abrir a mente.

Sugata Mitra.
Sugata Mitra.

P: Que novidade representa sua metodologia em relação a outros modelos de aprendizagem colaborativa, por exemplo, a criada pelos irmãos norte-americanos Roger e David Johnson nos anos sessenta?

R: Já se falava de aprendizagem autodirigida nos anos 20 Um caso conhecido é o do padre jesuíta que lançou um sistema na Índia, no qual os alunos dos cursos superiores ensinavam os mais jovens. Qual é a diferença? Internet. Minha pesquisa fala de outra forma na qual as crianças podem aprender, um método mais rápido e igualmente eficiente.

P: Surgiram muitas vozes críticas a seu projeto SOLE. Foi acusado de falta de provas científicas que provem que realmente funciona.

R: É muito difícil definir o que é funcionar bem quando estamos defendendo a mudança da nossa forma de avaliar. A realidade é que há mais de 1.000 SOLE em todo o mundo, grupos de crianças conectados à Internet e aprendendo em grupos. A melhor prova do sucesso do modelo são os dados que recompilamos do Twitter: mais de 10.000 professores estão falando do SOLE. Quando pergunto aos críticos se eles leram minha pesquisa, a resposta é geralmente negativa. São 15 publicações nos últimos 17 anos em revistas científicas como British Journal of Educational Technology ou American Educational Research Association. Os documentos mostram que a aprendizagem das crianças é exponencial, sempre sobem de nível ou melhoram seu inglês, entre muitos outros aspectos. Este ano quero lançar uma equipe de investigação na Universidade de Newcastle para medir o impacto desse aprendizado.

Os professores dizem que o impossível está acontecendo; as crianças aprendem sem um ensino direcionado

P: Que papel cumprem os professores na SOLE?

R: O trabalho deles não é ensinar, mas deixar que as crianças aprendam. Eles têm que tirar o foco de si mesmos, perder o protagonismo. Sua função é fazer as perguntas certas, mesmo se não souberem a resposta. É aí que ocorre o aprendizado. Eles não têm de falar aos seus alunos “eu tenho a resposta”, mas “isso é o que vocês encontraram”.

P: Como estão reagindo os governos dos diferentes continentes a seu modelo de aprendizagem?

R: Com exceção dos países escandinavos, que têm a capacidade de mudar, a maioria dos governos, especialmente aqueles que tiveram grandes impérios como o Reino Unido e a Índia, não sabem como avançar e são incapazes de mudar. Os burocratas entendem o que proponho, mas chegaram a me dizer que, enquanto eles viverem, a mudança de paradigma não irá ocorrer. Os livros didáticos são uma indústria que move trilhões de dólares, é impossível retirá-los. Sua máxima é manter as coisas como estão para preservar seu trabalho.

P: Como acha que o conhecimento deve ser medido?

R: Devemos mudar a norma do que deve ser avaliado. Acho que a chave é analisar a criatividade de cada um, e com as ferramentas que temos agora não é possível. Não tenho certeza se precisamos da avaliação individual ou apenas em grupo. Agora o mundo funciona com sinergias. A virtude que será valorizada em alguns anos será a de ser capaz de se fazer perguntas continuamente e ter a capacidade de respondê-las.

P: O que acha de ser um guru mundial da educação?

R: Se sou, é por acidente. Não tenho nenhuma habilidade especial para conseguir mudanças sociais, e nem é meu objetivo. Só quero ajudar as crianças a se encaixarem em um cenário no qual todas as regras serão diferentes das de agora. Em 20 ou 30 anos, os robôs irão controlar o mercado de trabalho e só sobreviverão aqueles que souberem construir ou inventar. Os chamados makers.

MAIS INFORMAÇÕES