Acidente com trem português mata quatro pessoas na Espanha

Descarrilamento aconteceu perto de uma estação na Galícia

Agentes da Guarda Civil e bombeiros no local do descarrilamento.El País Vídeo (reuters_live)

Quatro pessoas morreram devido ao descarrilamento de um trem português com 63 passageiros na manhã desta sexta-feira na localidade de O Porriño (Galícia, noroeste da Espanha), segundo autoridades e fontes médicas. O acidente ocorreu 200 metros antes de o trem chegar à estação. O chefe do serviço de emergências local, José Carlos Fontoira, informou que houve 47 feridos, 7 delas com gravidade moderada e 1 em estado gravíssimo.

Mais informações
Colisão de trens mata ao menos 27 no sul da Itália
Pelo menos sete mortos em um acidente de trem em Nova York
Descarrilamento de trem mata ao menos quatro e fere mais de 60 em Nova York
Colisão entre trens deixa pelo menos 9 mortos e 150 feridos na Alemanha

O chamado trem Celta, que partira minutos antes de Vigo (Espanha) com destino ao Porto (Portugal), descarrilou por volta de 9h25 (4h25 em Brasília), por razões ainda desconhecidas, segundo uma porta-voz da empresa ferroviária espanhola Renfe. Além dos 63 passageiros, viajavam no trem um maquinista e um inspetor, ambos portugueses.

As primeiras informações dão conta de que o trem colidiu com um viaduto da rodovia N-120, logo depois de uma curva, e só parou ao encontrar uma torre de aço. O primeiro vagão ficou com as rodas para o ar, e os outros dois foram menos danificados.

A maioria dos passageiros, inclusive alguns feridos, conseguiu sair do trem andando pelos trilhos. Dos 47 feridos, 20 foram levados ao hospital Álvaro Cunqueiro, 14 ao hospital Povisa, 9 hospital de Fátima (todos em Vigo) e quatro ao posto de saúde de O Porriño. “Não se teme pela vida de nenhum dos feridos”, disse Fontoira.

A polícia confirmou que três corpos foram retirados dos destroços e que uma quarta vítima morreu no hospital Álvaro Conqueiro. Entre os mortos está o maquinista José Arnaldo Moreira, de 45 anos; o mecânico de trem Miguel Veiga, de 55; o jogador de handebol Joaquín Rodríguez, de 23; e um cidadão norte-americano que ainda não foi identificado.

Sobreviventes disseram que o trem ia muito rápido e freou bruscamente, causando a queda de malas e outros objetos. Esse é um trecho reto, e aparentemente não havia obstáculos sobre a via. A prefeita de O Porriño, Eva Garcia de la Torre, disse que recentemente houve obras na ferrovia para que os trens que passam “no meio da vila” circulassem a uma velocidade menor. Ela acrescentou que o trem se chocou inicialmente contra a base de um viaduto, numa área “onde não há visibilidade ruim”.

Foto tirada do viaduto contra o qual o trem colidiu.
Foto tirada do viaduto contra o qual o trem colidiu.ANTXO FERNÁNDEZ

A ADIF, estatal espanhola de infraestrutura, anunciou que o tráfego ferroviário foi interrompido entre as estações de Louredo-Valos e O Porriño (na linha Pontevedra-Tui-Portugal), afetando os trens de média e longa distância que circulam entre Vigo e Ourense e Vigo e Santiago de Compostela. A empresa iniciou uma investigação sobre o acidente, e o plantão judicial do Tribunal de Instrução Número 2 de O Porriño assumiu o caso.

O trem pertence à empresa CP (Comboios Portugal), que desde 2011 tem um convênio com a Renfe para operar o trecho Vigo-Porto. A cada dia, dois Trens Celtas fazem esse percurso internacional, que leva duas horas e 15 minutos, segundo a Renfe.

O trem acidentado é um automotor diesel da série 592, fabricado nos anos 1980. Esses modelos são popularmente conhecidos no setor como camelos, por causa da corcunda que acomoda o ar-condicionado. Foram fabricados entre 1981 e 1984 pelas empresas Macosa e Ateinsa (atual Alstom), e remodelados a partir de 2002, segundo a Renfe. O trem pertence à empresa ferroviária espanhola, que o alugou à CP.

Os principais partidos políticos galegos, que disputam uma eleição regional neste mês, suspenderam seus eventos de campanha nesta sexta por causa do acidente. O vice-presidente da Xunta (Governo regional), Alfonso Rueda, cancelou sua participação num comício em Pontevedra, na qualidade de presidente do PP provincial, e se dirigiu ao local do acidente.

A Renfe e a ADIF manifestaram pesar pelas vítimas e prestaram condolências aos familiares. A Renfe e o Ministério de Fomento da Espanha ativaram o Plano de Assistência a Vítimas de Acidentes Ferroviários e seus Familiares (PAVAF).

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS