Verne

“Estava pedindo que roubasse tudo”: se tratássemos as vítimas de roubo como as de estupro

A mensagem foi compartilhada mais de 87.000 vezes em menos de uma semana

O culpado de um crime é sempre quem comete a infração. No entanto, quando se fala de agressões sexuais, são muitas as ocasiões em que se pretende culpar a vítima. Satirizando isso, a humorista neozelandesa Alice Brine publicou no dia 27 de julho um post no Facebook em que pretendia mostrar como seria se as vítimas de roubo fossem tratadas como as de agressão sexual. Em menos de uma semana, ultrapassou 87.000 compartilhamentos.

I'm gunna start going home with random very drunk guys and stealing all of their shit. Everything they own. It won't be...

Gepostet von Alice Brine am Dienstag, 26. Juli 2016

Em sua mensagem, a humorista usa as recriminações que costumam ser feitas às vítimas de agressão sexual para culpar as vítimas de roubos: que estavam bêbadas, que deveriam ter percebido, ou que as roupas que vestiam enviavam uma mensagem equivocada. Você pode ler a tradução completa aqui:

Na revista digital britânica The Tab, a humorista explicou que decidiu publicar o texto quando constatou, irritada, como alguns meios de comunicação tratam casos sobre o estupro. “Há pouco tempo li uma manchete que dizia ‘Ela disse não, mas não tinha tanta certeza’”, conta à revista. “É uma loucura que frases assim sejam publicadas”.

Depois do estupro coletivo de uma menor de idade no Brasil em maio, este gráfico sobre os culpados num caso de estupro que inclui muitos dos pressupostos da postagem de Brine (como as roupas ou o álcool) superou 400.000 compartilhamentos.

Em seu texto, Brine também faz uma analogia com outra problemática das agressões sexuais: o consentimento. “Não tinha certeza se ele realmente quis dizer ‘não’ quando disse ‘não roube o meu Audi’”, brinca. Outro viral sobre o consentimento, que explica por que “não” significa “não” usando xícaras de chá, ultrapassou milhões de visualizações em diferentes plataformas.

Arquivado Em: