Cantor ‘mais macho’ do México pede perdão a “todas as mulheres”

Gerardo Ortiz se desculpou por um vídeo no qual queimava uma mulher infiel e matava seu amante

O cantor mexicano Gerardo Ortiz.
O cantor mexicano Gerardo Ortiz.

Pedir perdão não é algo que agrada muito a um tipo durão como o cantor mexicano Gerardo Ortiz. Nem mesmo para se livrar de uma confusão. O popular músico de corrido – um gênero musical típico do México e que se caracteriza por ser uma narrativa em forma de canção –, sem tirar o chapéu ou responder perguntas, dedicou menos de cinco minutos de sua semana para se desculpar publicamente pelo polêmico videoclipe de Fuiste Mía. A gravação, que deu origem a uma forte onda de reações contra o machismo no México, conta a história de uma mulher que trai seu parceiro (com muita lingerie), interpretado pelo músico, que, para se vingar, mata o amante com tiro na testa e depois coloca a namorada na mala do carro e a queima viva. Um desfecho típico da narcocultura que foi a gota d´água para causar a para o público de um país onde a cada três horas uma mulher morre assassinada.

O escandaloso vídeo, lançado no começo deste ano, foi parar na Justiça e, a princípios do mês de julho, a Promotoria decretou a prisão de Ortiz, de 26 anos de idade, por apologia à violência de gênero. No dia 17 de julho, quando o artista aterrissou em Culiacán (Sinaloa) foi detido pela polícia federal enquanto esperava por sua mala no aeroporto. Ele foi libertado após pagar uma fiança de 50.000 pesos mexicanos (aproximadamente 8.750 reais) e, agora, aguarda o julgamento em liberdade.

Tendo em vista tais antecedentes, Ortiz, com sua cara de menino barbado, resolveu se dirigir ao público feminino na quinta-feira. “Quero oferecer as minhas mais sinceras desculpas a todas as mulheres que foram ofendidas pelo meu vídeo e a todas as organizações que defendem os direitos das mulheres”, disse o cantor. Depois, sem dar muitos detalhes, anunciou que iria retirar o vídeo das redes sociais porque “está ocasionando mais rumores”. A declaração, sem direito a perguntas, durou menos de cinco minutos.

Suas palavras foram recebidas com frieza por parte das organizações feministas. Apesar de a exclusão do vídeo fazer parte das exigências deste coletivo, o tempo que Ortiz demorou para tomar a decisão e o fato de que tal atitude foi uma consequência de sua detenção, fizeram com que não houvesse motivos para aplausos. No entanto, alguns também consideraram que o episódio desviou o foco do verdadeiro debate. “ Eu acho um absurdo que prendam um cantor com toda a violência que existe nesse país. As prioridades do Estado estão mal estabelecidas para poder erradicar a violência contra as mulheres”, afirmou a diretora executiva do Grupo de Informação sobre Escolha Reprodutiva (Gire, na sigla em espanhol), Regina Tames.

A prisão de Ortiz foi o resultado de uma crescente repulsa pelos corridos baseados no narcotráfico (narcocorridos). Após 10 anos de guerra contra o crime organizado no país, mais de 100.000 mortos e 25.000 desaparecidos, o México se encontra agora em um processo de atenuação do culto à violência.

Assim, esse gênero musical enfrenta, a cada dia, mais obstáculos, embora suas apologias ao crime e letras machistas sejam muito difíceis de se evitar em emissoras locais, táxis e estabelecimentos comerciais. Em cidades no norte do país, como Chihuahua e até mesmo o estado de Sinaloa, onde nasceu o famoso narcotraficante El Chapo, esse tipo de manifestação cultural já é renegada. Assim como os heróis de suas músicas, os autores se convertem em foras da lei.