Cristiano Ronaldo, a um passo da conquista que lhe falta

Gênio português conduz a seleção de seu país a sua segunda final de Eurocopa, após um duelo sem empolgação com um time de Gales limitado aos aportes de Bale

Ronaldo arremata para fazer o primeiro gol de Portugal. CARL RECINE REUTERS / Vídeo: uefa.com

Em uma semifinal sem uma gota de futebol, Crisitano Ronaldo foi o suficiente para se aproximar da grande conquista internacional que lhe falta, assim como a Portugal. Uma cabeçada destruidora de CR e um chute seu desviado para as redes por Nani, ambos em um intervalo de três minutos, foram o bastante para que o surpreendente País de Gales se despedisse com honras de um campeonato em que foi o protagonista inesperado, e do qual nunca se esquecerá. Contra os portugueses, não foi superado pelo jogo, porque não houve, mas por um par de lances de Cristiano. Da sua parte, o empenho incansável de Bale não foi suficiente. Portugal tem melhor entorno para CR, que com seu gol se igualou a Platini, para quem fechou a cara em certa cerimônia da Bola de Ouro, como maior artilheiro das Eurocopas. Sem Platini como comandante da UEFA, e com a Champions na mochila, a final de domingo em Paris pode entronizá-lo novamente. Mais um passo e terá levado Portugal onde ninguém jamais conseguiu. Não é um objetivo do qual Cristiano foge.

Até Cristiano sacar o chicote, com pouca força, Gales resistiu bastante. Com algo a mais, Portugal não fez quase nada. Uma partida decepcionante, penosa, dolorosa para ser uma semifinal de uma Eurocopa. As duas equipes foram com o freio puxado, muito temerosas, parcimoniosas com a bola e sem ela. Três arrancadas de Bale e uma cabeçada de Cristiano muito forçada foram os únicos avisos nas áreas em todo o primeiro tempo. As duas ficaram desertas, sem colonizadores, porque quase tudo se desenrolou no meio-campo, e de forma insossa. Não houve quem colocasse uma faísca, tudo muito comedido. Chama-se medo, mas parecia mais próprio de Gales, em um pedestal tão inesperado, do que dos portugueses. Talvez o time do técnico Fernando Santos quisesse deixar tudo para depois dos 45 minutos do segundo tempo, que é como melhor vinha fazendo no campeonato. Mas seu capitão irrompeu e Portugal finalmente ganhou uma partida antes da prorrogação ou dos pênaltis, o que não havia conseguido nas seis anteriores, as cinco disputadas na França mais a semifinal que perdeu para a Espanha na Euro de Ucrânia e Polônia em 2012.

Ninguém vale por 11

Foi uma partida decepcionante, penosa, dolorosa para ser uma semifinal de Eurocopa

Portugal teve que renunciar a Pepe, lesionado e substituído por Bruno Alves, e a William Carvalho, que cedeu espaço a Danilo, que adiantou o bem cotado André Gomes e o sutil Moutinho. Apesar do impulso de Renato, Portugal não teve corpo, foi uma equipe contida demais, sem se soltar. Enquanto isso, Gales sentiu enormemente a ausência de Ramsey, seu fio condutor ao lado de Bale. Os galeses não têm ninguém de sobra. E Ramsey é para eles um ilustre. Por alguma razão, ninguém quis assumir o peso da partida, nem o indefinido Portugal nem o limitado Gales. Como resultado, um encontro com cheiro de casa fechada, até que Cristiano entrou em ação.

O golpe fatal de Cristiano teve duração de três minutos, logo após a volta para o segundo tempo. João Mário cobrou um escanteio curto para Raphael, e o cruzamento do lateral-esquerdo encontrou uma cabeçada do astro que só os astros sabem fazer. Suspenso no ar como um trapezista, e com Chester na cola, esperou a chegada da bola e fulminou Hennessey, o goleiro galês. Foi uma finalização estrondosa, como se esse homem tivesse uma ponteira na testa. Descomunal. Com os jogadores de Chris Coleman ainda tontos, Cristiano colocou combustível e perto do perímetro da área calibrou a perna direita. Saiu um disparo falho, como se tivesse chutado errado, mas Nani, localizado na marca do pênalti, se esticou e desviou a trajetória da bola, que morreu dentro da rede.

Gráfico: As cifras do partido
Gráfico: As cifras do partido

Os dois gols colocaram ponto final na memorável aventura de Gales. A campanha foi um milagre, por mais que tenha o talento de Bale, um jogador extraordinária, mas ninguém vale por onze. Essa Eurocopa serviu aos galeses para colocar o futebol em seu próprio mapa. Será interessante ver sua evolução. Para Portugal, representa ficar à beira do paraíso pela segunda vez na história. Não tem sido uma seleção redonda, nem de longe, mas com o oportunismo de Cristiano e Nani conseguiu avançar com muito sofrimento. Falta o arremate. Ou seja, um último Cristianazo no domingo. Dessa vez, na grande final não terá pela frente a Grécia em Lisboa, mas França ou Alemanha em Paris.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: