Missão suicida ao planeta mais perigoso do Sistema Solar

‘Juno’ prepara chegada a Júpiter, o momento crítico de uma missão que não se via há dez anos

Representação da nave 'Juno' em seu caminho para Júpiter.NASA

MAIS INFORMAÇÕES

“Vamos nos meter no planeta com os mais terríveis níveis de radiação do Sistema Solar.” Assim Heidi Beck resume o desafio que enfrentará dentro de algumas semanas com seus colegas de equipe da NASA. No dia 4 de julho, os EUA pretendem comemorar sua data nacional chegando a Júpiter com a sonda Juno, desenhada pela agência espacial norte-americana para bater o recorde de aproximação com o temível gigante gasoso. Com mais de 300 vezes a massa da Terra, Júpiter é o maior planeta do Sistema Solar, e também um dos mais perigosos. Esse mastodonte dá uma volta sobre si mesmo a cada 10 horas, o que contribui para gerar um descomunal campo magnético no qual os elétrons ficam retidos, funcionando como projéteis contra qualquer coisa que se aproxima. A Juno, primeira nave a orbitar o planeta sobre seus polos, poderá responder a algumas perguntas importantes sobre a origem do Sistema Solar e também sobre a formação da Terra.

“Júpiter é a chave, foi o primeiro planeta a se formar no Sistema Solar, é o primeiro passo para nós”, diz Scott Brown, pesquisador-chefe da missão. A equipe concedeu entrevista coletiva na quinta-feira passada para apresentar suas novidades.

O interior desse planeta e sua origem continuam sendo um mistério, quatro séculos depois das primeiras observações científicas de Júpiter feitas por Galileu. Júpiter abriga mais matéria que todos os outros planetas, asteroides e cometas do Sistema Solar juntos. Na verdade, é mais parecido com uma estrela, pois seus dois componentes principais são o hidrogênio e o hélio, como o Sol. “Júpiter absorveu a maioria dos restos de gás e poeira que restaram depois da formação do Sol, e depois os demais planetas se formaram. Ou seja, nós, a Terra, somos a sobra da sobra do Sistema Solar”, explica Brown.

A chegada da nave aos arredores do planeta está prevista para as 20h35 do dia 4 de julho (horário da Califórnia; 1h35 do dia 5 pela hora de Brasília). Começará então a orbitar Júpiter a fim de estudá-lo durante um pouco menos de dois anos.

Será a maior nave a ter se aproximado do gigante gasoso

Uma das principais perguntas que a missão se dispõe a esclarecer é se, abaixo da espessa atmosfera deste gigante gasoso, além da sua capa intermediária de hidrogênio líquido, há um núcleo feito de elementos pesados, os ingredientes básicos com os quais se formaram a Terra, Marte e o restante dos planetas rochosos.

Júpiter guarda muitas outras chaves para entender por que o Sistema Solar é como é. Pouco depois de sua formação, é possível que Júpiter tenha migrado, como uma enorme bola de demolição que teria destruído os primeiros embriões de planetas rochosos, mas também tornando-o habitável. Alguns especialistas acham que seu núcleo está desaparecendo lentamente — ou mesmo que já tenha desaparecido por completo quando do encontro com a Juno. E, além disso, esse planeta é crucial para entender a evolução da maioria dos planetas já descobertos fora do nosso Sistema Solar, já que também são gigantes gasosos.

Rumo ao recorde

“Vamos olhar dentro do planeta e ver sua composição”, diz Scott. Se de fato houver um núcleo sólido, isto significa “que já havia rochas antes que houvesse planetas no Sistema Solar, e que Júpiter começou a se formar a partir delas”, diz o cientista. A outra hipótese é que o núcleo do planeta esteja vazio, e que ele seja, portanto, mais parecido com uma estrela. “Graças à Juno, vamos saber quando, como e onde esse planeta se formou”, entusiasma-se Brown. Uma das análises mais importantes será a busca por oxigênio, o terceiro elemento mais abundante no universo. Os instrumentos da missão também rastrearão a presença de água.

A única missão a ter orbitado o planeta anteriormente foi a Galileo, que deu 11 voltas no equador jupiteriano, mais de uma década atrás. A Juno está programada para fazer 37 aproximações e chegar a apenas 4.667 metros das nuvens, pulverizando o recorde de proximidade com o planeta, estabelecido pela sonda Pioneer 11, em 1974, com um sobrevoo a 43.000 quilômetros. Graças a isso, Juno fotografará pela primeira vez os polos do planeta e oferecerá as imagens de maior resolução já obtidas da sua superfície.

Nas camadas intermediárias de Júpiter há tanta pressão que o hidrogênio se torna líquido e se comporta como um metal, o que cria um campo magnético 20.000 vezes mais forte que o da Terra, dominado por um enxame de elétrons disparados quase à velocidade da luz — os quais açoitariam a nave até destruí-la. Para evitar esse destino, a sonda tem um “colete à prova de balas”, um grande escudo de titânio que reduz o nível de radiação em quase 99,9%, segundo Beck.

Os elementos mais vistosos da nave, do tamanho de uma quadra de basquete, são seus três painéis solares, capazes de alimentar todos os instrumentos “com a energia de apenas duas lâmpadas”, segundo os chefes da missão. De fato, esta é a primeira missão a Júpiter que depende apenas da energia solar.

Terminada sua missão científica, que durará 20 meses, a nave mergulhará na atmosfera de Júpiter, numa rota suicida até que as enormes pressões a esmaguem completamente.

Arquivado Em: