A despedida de Muhammad Ali

Funeral de Muhammad Ali: o adeus ao ídolo

Milhares de pessoas saem às ruas de Louisville para se despedir desta lenda do boxe e herói dos direitos civis

Várias pessoas na despedida de Muhammad Ali.
Várias pessoas na despedida de Muhammad Ali.AFP

Milhares de pessoas saíram às ruas de Louisville, em Kentucki, cidade natal de Muhammad Ali, para dizer adeus à lenda do boxe e ao herói dos direitos civis, que cativou o mundo com suas habilidades deslumbrantes no ringue. O ator Will Smith –que foi indicado ao Oscar por sua interpretação de Ali no cinema– e os ex-campeões de peso pesado Mike Tyson e Lennox Lewis estiveram entre os carregadores do caixão no funeral do boxeador.

Um cortejo fúnebre pela cidade, um enterro privado e um serviço público de celebração marcam o final de dois dias de tributos ao três vezes campeão mundial dos pesos pesados, que morreu na semana passada aos 74 anos, depois de uma longa batalha contra o mal de Parkinson.

A comitiva passou pelos lugares que eram mais importantes para Muhammad Ali: a casa de sua infância, o centro Ali, o centro para a herança afro-americana –que está voltado para a vida dos negros em Kentucky–, e a avenida que leva seu nome, claro, para depois chegar ao cemitério.

As pessoas lotaram as ruas repetindo o nome do boxeador. “As crianças o amam, sempre foi uma esperança para este bairro. Para os jovens daqui, ele é um exemplo”, explica uma das presentes, Toya Johnson, que usava uma camiseta de Muhammad Ali.

Mike Tyson, um dos que carregaram o féretro, confirmou presença à última hora. “A dor que demonstrava era imensa, não sabia nesse momento se podia fazer isso emocionalmente..., mas, pelo visto, decidiu que tinha de estar aqui”, disse o porta-voz da família de Ali, Bob Gunnell.

Barack Obama não pôde estar presente no funeral do homem que considera um “herói pessoal”, já que coincidiu com a graduação de sua filha Malia na escola secundária. No entanto, o presidente dos Estados Unidos publicou uma mensagem em vídeo na qual mostrava um livro de fotografias e um par de luvas que tem como recordação do boxeador. “Esta semana perdemos um ícone”, disse Obama na mensagem. “Uma pessoa que, acredito, liberou a mente dos afro-americanos fazendo-os ver que podiam estar orgulhosos de quem eram. Cresci vendo-o. Cresci com minha identidade moldada pelo que ele conquistou”, disse. “Os incríveis gestos de amor e apoio que me mostrou foram uma das grandes bênçãos da minha vida.”

Nascido Cassius Clay em 1942, o Muhammad Ali ganhou o ouro olímpico como boxeador e teve uma carreira profissional gloriosa, com lutas épicas contra George Foreman e Joe Frazier.

Mais informações