Governo Maduro

Supremo da Venezuela se blinda contra o controle do parlamento

Congresso, de maioria opositora, investigava a nomeação de magistrados pelo Governo Maduro

Sessão da Assembleia Nacional da Venezuela.
Sessão da Assembleia Nacional da Venezuela.EFE

Mais informações

Uma decisão da Sala Constitucional do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) nesta terça-feira levou a uma escalada no conflito de poderes que paralisa a Venezuela desde que foi empossada, no início de janeiro, a nova Assembleia Nacional de maioria opositora.

Na decisão de número nove, os cinco magistrados da Sala Constitucional determinaram que não é competência da Assembleia Nacional “revisar, anular, revogar ou deixar sem efeito, de qualquer forma, o processo interinstitucional de designação dos magistrados e magistradas do Supremo Tribunal de Justiça”.

O extenso documento de 80 páginas é a resposta à medida que o supremo tribunal, controlado pelo Governo, concebeu contra as diligências iniciadas pelo parlamento para investigar as designações expressas de 34 magistrados – 12 deles, titulares – do STJ na penúltima sessão da legislatura anterior, em dezembro de 2015. A maioria governista de então forçou a nomeação desses magistrados in extremis a fim de garantir o comando do Supremo para o Governo, atingido por uma contundente derrota nas eleições parlamentares dias antes. Entre os magistrados recém-nomeados figuram, pelo menos, dois titulares que foram deputados pelo Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Entre os magistrados recém-nomeados figuram, pelo menos, dois titulares que foram deputados governistas

De fato, e não por mera coincidência, a decisão foi divulgada no mesmo dia em que no Legislativo votaria o relatório elaborado pela Comissão Especial criada pela Assembleia Nacional para investigar as nomeações. No dossiê, o Supremo determina que são nulos “os atos mediante os quais a Assembleia Nacional pretende impulsionar a revisão de processos constitucionalmente precluídos de seleção de magistrados e magistradas”, incluindo a comissão citada.

A bancada de oposição não se deixou intimidar e, poucas horas depois da divulgação da sentença, aprovou o relatório que recomenda reverter as nomeações dos magistrados e reformar a Lei que rege o Tribunal Supremo. Em mais um episódio do conflito institucional que o Executivo de Nicolás Maduro propiciou, o chefe do bloco parlamentar chavista e ex-ministro da Educação, Héctor Rodríguez, afirmou que o relatório da Comissão Investigadora colocava o parlamento em posição “de desacato”.

A sentença do Supremo não se limitou a defender seus foros. Em um empenho para estabelecer uma jurisprudência que preserve o controle do chavismo sobre o aparelho do Estado, a corte também decidiu que o Legislativo não tem a faculdade de fiscalizar outros poderes do Estado, como o Cidadão, o Judicial e o Eleitoral, nenhum deles, aliás, nomeado por voto popular, mas sim pelo partido do Governo. Admite, no entanto, que a Assembleia Nacional pode exercer um controle político sobre o Governo, mas por meio da “devida coordenação” com a vice-presidência da República.

Além disso, a decisão do STJ suspende o regime pelo qual determinados funcionários públicos são obrigados a comparecer a interpelações no parlamento, o que economiza previsíveis incômodos a líderes do bolivarianismo e limita as capacidades da Assembleia Nacional para fazer auditoria.

Em uma primeira reação, o Presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, ironizou: “Não haverá comida nem remédios, mas sentenças, sim”. Prometeu uma resposta contundente a essa iniciativa que, afirmou, “utiliza a justiça para amputar as faculdades do poder legislativo”, mas não sem antes estudar a sentença com atenção. Advertiu que, em todo caso, o Governo dá mostras de sua fraqueza quando recorre ao Supremo como principal “elemento estabilizador”.

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50