Fast Food

Burger King experimenta o cachorro-quente

É a maior mudança no cardápio da rede desde a introdução do frango há quase quarenta anos

A versão clássica do cachorro-quente do Burger King. Candice Choi

Mais informações

A Burger King está fazendo uma tentativa ali onde o McDonald’s já fracassou. A rede de fast-food incluirá cachorros-quentes em seu cardápio para não depender apenas dos hambúrgueres. Considerando-se que o voraz consumidor norte-americano consome mais de 20 bilhões de hot dogs por ano, trata-se de um mercado enorme. Embora o movimento seja evidente, o grande desafio da empresa será oferecer um produto simples e que não se distancie muito da imagem da marca. A Kraft Heinz é sua parceira nesse caso.

Os sanduíches começarão a ser oferecidos em 23 de fevereiro na maioria das suas lanchonetes nos Estados Unidos a um preço de 1,99 dólar (8 reais) para a versão clássica, chegando a 2,29 dólares (9,2 reais) nas versões com pimenta e queijo. A empresa informa que eles terão presença permanente no cardápio. Alex Macedo, presidente da Burger King América, espera que eles se tornem o “Whopper dos cachorros-quentes”.

A rede vem fazendo testes com os cachorros-quentes há um ano e meio em cinco cidades — Salt Lake City, Memphis, Baltimore, Detroit e Kansas City. Como explica Macedo, o sentido de fazer essa experiência esse tempo todo fora de mercados como os de Nova York ou Chicago é o de pegar o público de surpresa. O executivo explica que o consumidor poderá compor o sanduíche como preferir.

Essa flexibilidade não é por acaso. Diferentemente do que acontece com os hambúrgueres, cada região dos EUA tem uma forma própria de preparo do cachorro-quente. O gosto, como observa o Food Institute, é muito regionalizado. O estilo do cachorro-quente criado em Chicago não tem nada a ver com aquele que se come em Nova York, em Atlanta ou em Kansas City. Cada cidade afirma que o seu é o melhor.

Trata-se da maior mudança no cardápio da rede desde 1979, quando o frango foi incorporado. A Burger King é controlada pelo 3G Capital. O fundo brasileiro é, além disso, proprietário do grupo alimentício Kraft Heinz, dono da marca Oscar Mayer. Embora o concorrente mais evidente seja a rede Sonic, os cachorros-quentes são um segmento importante também no cardápio da Shake Shack.

A introdução dos cachorros-quentes no cardápio da Burger King não deverá ser complicada, pois a empresa já dispõe das grelhas para confeccionar os hambúrgueres. Além disso, suas lanchonetes já possuem basicamente todos os condimentos, também da Kraft, necessários em suas receitas, explicou Macedo na apresentação. “Não sei por que não se fez isso antes”, concluiu.