Editoriais
i

Sinais de Iowa

Os republicanos estão há anos alimentando o medo do futuro

Mais informações

Os Estados Unidos começaram a escolher seu futuro presidente com os caucus de Iowa — nos quais os cidadãos votam com braços erguidos em reuniões de moradores — em um processo que terminará em novembro. Pouco menos de 200.000 pessoas votaram, que enviam os primeiros sinais reais de cidadãos que acreditam — um 50% da população — que os EUA já deixaram para trás seus melhores dias.

Esse sentimento de frustração é o combustível de figuras — como a do milionário Donald Trump — que sequestrou o Partido Republicano com um discurso populista de receitas simples para questões complexas. Tanto ele quanto Ted Cruz, senador do Texas, que se baseia em um fundamentalismo aberrante, são mais consequência do que causa de sua tentativa de colocar as elites contra as cordas. Os republicanos estão há anos negando tudo a Obama, atiçando a polarização, bloqueando o Congresso e alimentando o medo da população em relação a um futuro incerto: quem planta vento, colhe tempestade.

Iowa significou uma espetada na bolha de Trump; ele terminou em um humilhante segundo lugar, depois de Cruz, que defende bombardear o Estado Islâmico. Em terceiro lugar, inesperado, ficou o senador da Flórida, Marco Rubio, que poderia, finalmente, ser o republicano — de linha dura, mas moderado, se comparado a Trump e Cruz — capaz de enfrentar Clinton.

Hillary Clinton, em princípio a candidata democrata inevitável, começou mal ao quase empatar com o insurgente senador por Vermont Bernie Sanders. Mas vai se recuperar quando começarem a votar os estados do sul e aqueles com altas taxas de hispânicos. É perseguida por seu uso imprudente de um servidor privado para enviar seu e-mail quando era Secretária de Estado, e tem problemas com os jovens e algumas mulheres que não perdoam sua atitude em relação às aventuras sexuais de Bill Clinton. Na terça-feira, em New Hampshire, segundo assalto.