Saúde

Se o seu irmão teve câncer, você tem 37% de chances de também ter um

Estudo realizado com 200.000 irmãos gêmeos revela o risco familiar de muitos tumores

Os irmãos gêmeos Mark e Scott Kelly, astronautas da NASA.
Os irmãos gêmeos Mark e Scott Kelly, astronautas da NASA.NASA

O trabalho pertence ao Estudo do Câncer em Gêmeos Idênticos e Não Idênticos Nórdicos, uma gigantesca base de dados de irmãos nascidos ao mesmo tempo na Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia. Os pesquisadores analisaram a hereditariedade do câncer: a proporção da variação do risco de câncer de uma população que se deve a fatores genéticos. Os autores detectaram uma hereditariedade significativa no melanoma (58%), o câncer de próstata (57%), o câncer de pele não melanoma (43%), de ovário (39%), de rim (38%), de mama (31%) e de útero (27%).

Mais informações

O estudo, publicado na quarta-feira na revista médica JAMA, mostra que em 3.300 duplas os dois irmãos desenvolveram um câncer ao longo de sua vida. Foi o mesmo tipo de câncer em 38% dos irmãos gêmeos idênticos e em 26% dos não idênticos. Nos outros casos, os irmãos sofreram tipos de tumores diferentes. Os resultados sugerem, pela primeira vez, que em algumas famílias existe um risco maior de sofrer qualquer tipo de câncer. O trabalho foi liderado pela epidemiologista Lorelei Mucci, da Universidade de Harvard (EUA), e seu colega Jacob Hjelmborg, da Universidade do Sul da Dinamarca.

Os cientistas detectaram um risco familiar maior em 20 dos 23 tipos de câncer analisados, incluindo tumores comuns, como os de mama e próstata, e outros menos frequentes, como os de ovário e estômago. Um dos maiores riscos familiares foi detectado no câncer de testículo. O risco de um homem ter esse tumor é 12 vezes maior se o irmão o desenvolveu, 28 vezes mais alto no caso de irmãos gêmeos idênticos.

32% das pessoas estudadas sofreram um tumor maligno ao longo de sua vida

O estudo não dá tanta importância, entretanto, a alguns fatores de risco ambientais que uma família pode ter, como a exposição ao sol. “Que dois irmãos tenham câncer de pele é seguramente mais provável pelo costume de seus pais de não os protegerem quando eram crianças do que pelo componente genético, que também pode ser um fator”, observa Esteve Fernández, pesquisador do Instituto Catalão de Oncologia e presidente da Sociedade Espanhola de Epidemiologia.

Morrem por ano oito milhões de pessoas por câncer no mundo e são diagnosticados 12 milhões de novos casos. “Essa informação sobre os riscos hereditários dos tumores pode ser útil na educação dos pacientes e na assessoria sobre o risco de sofrer um câncer”, dizem os autores.