Governo de SP suspende reorganização escolar após protestos

Manifestações estudantis contra o fechamento de 92 escolas foram reprimidas pela PM Desgaste fez com que Geraldo Alckmin recuasse da proposta. Acompanhe a cobertura

Carlos Villalba R (EFE)

Após uma série de protestos dos estudantes da rede estadual de São Paulo, duramente reprimidos pela Polícia Militar,  o Governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira a decisão de suspender o plano de reorganização escolar, que entraria em vigor em 2016 e fecharia quase cem escolas no Estado.

A decisão vem depois do juiz Iberê de Castro Dias, da Vara da Infância Protetiva e Cível de Guarulhos, conceder liminar que suspende a chamada reestruturação escolar na cidade. Ele atendeu a um pedido do Ministério Público de São Paulo.

Acompanhe como foi a nossa cobertura, minuto a minuto:

EL PAÍS BRASIL
Coletivo que representa os estudantes dá sua resposta a Alckmin: exige a revogação do decreto da reorganização escolar. Quer ainda o cancelamento, e não só o adiamento, das mudanças. Eles seguirão mobilizados
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
E para concluir, Alckmin garante que a reorganização é a melhor opção para os alunos das escolas públicas de São Paulo.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Post completo de Alckmin em outra rede social:
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Enquanto isso, o Governador se manifesta pelo Twitter:
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Neste momento, o coletivo de escolas está reunido em assembleia para responder ao pronunciamento de Alckmin. Haverá uma coletiva de imprensa para anunciar, dentre outras coisas, que as ocupações permanecerão até que a reorganização seja cancelada e não suspensa como quer Alckmin.
EL PAÍS BRASIL
Marina Rossi
"Isso aqui vai virar o Chile", foi um dos gritos usados pelos estudantes ao longo das últimas semanas. É uma comparação à Revolução dos Pinguins, movimento dos secundaristas chilenos. No ano passado, a Revolução virou história em quadrinhos: http://cort.as/ZsB1
Marina Rossi
Marina Rossi
Sob pressão de estudantes, Alckmin adia plano de fechar escolas em SP. Confira a reportagem completa aqui: http://cort.as/ZsA-
Marina Rossi
EL PAÍS BRASIL
O levantamento realizado dias 25 e 26 de novembro, aponta que apenas 28% do eleitorado aprova a gestão do tucano, 10 pontos a menos com relação a fevereiro e a menor taxa já registrada desde 2001. 30% acredita que o Governo é ruim ou péssimo uma reprovação que também é recorde.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Hoje de manhã Datafolha mostrou que a popularidade de Geraldo Alckmin (PSDB), governador de São Paulo reeleito em outubro do ano passado em primeiro turno, despencou e atingiu reprovação recorde. http://cort.as/Zs1V
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Veja a galeria de fotos dos protestos de hoje e a comemoração dos alunos depois da decisão do Governo Alckmin de suspender temporariamente o processo de reorganização escolar: http://cort.as/Zs_B
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Segundo a Folha de São Paulo, secretário de Educação Herman Voorwald deixou o cargo após o anúncio da suspensão da reorganização. A secretaria de Educação ainda não confirma a informação.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Os estudantes anunciaram que só vão decidir se desocuparão as escolas depois de realização de assembleia.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Foto da agência EFE mostra celebração de estudantes depois do anúncio da suspensão da reorganização escolar
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Foto da agência AFP mostra momento em que a Polícia Militar joga bombas de efeito moral nos estudantes em manifestação na manhã de hoje.
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
Declaração de estudantes na página do Facebook "Não Fechem a Minha Escola"
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
"É possível que um estudante de 15 anos, de bermuda, chinelo e mochila, enfrente um policial, com colete à prova de tiros, um cassetete na mão e uma arma de fogo na cintura?", leia artigo do El País: http://cort.as/Zrgh
EL PAÍS BRASIL
EL PAÍS BRASIL
O pronunciamento durou poucos minutos e foi encerrado com uma frase do Papa Francisco: "Sempre que perguntado sobre a indiferença egoísta e o protesto violento, há uma opção sempre possível: o diálogo". Contudo, Alckmin deixou a sala sem responder as perguntas dos jornalistas.
EL PAÍS BRASIL

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: