FED | Aumento de Juros nos EUA

Ata de reunião do FED indica elevação dos juros nos EUA em dezembro

Wall Street analisa se atentados em Paris e alta do dólar justificam adiamento até 2016

(cnbc)

A elevação das taxas de juros é inevitável nos Estados Unidos, e a ata da última reunião do Federal Reserve (banco central) indica que as condições para isso podem se dar já no próximo encontro, em 16 de dezembro. A maior parte dos conselheiros do Fed considera que aumentar o preço do crédito seria “apropriado”, pois, do contrário, as autoridades monetárias norte-americanas estariam transmitindo uma mensagem de falta de confiança. A decisão, em todo caso, ainda não foi adotada e estará vinculada à evolução dos dados.

A ata do encontro realizado há três semanas qualifica como “moderado” o ritmo de crescimento econômico nos EUA

A discussão interna se concentrou em determinar onde está o ponto de equilíbrio. A taxa referencial de juros nos EUA atualmente está em torno de 0%, mas cada vez mais conselheiros acreditam que a cifra ideal estaria se afastando disso – embora não muito. Assim, a decisão teria de ser muito bem calibrada, de modo que esse equilíbrio seja mantido e a economia não sofra um impacto negativo. Para isso, o Fed está empenhando num intenso trabalho de comunicação para não pegar os mercados de surpresa.

Ou seja, o BC norte-americano considera que a economia suportaria bem uma primeira alta dos juros, que de todo modo seria mais um gesto simbólico. Só que a hora ideal para isso não está se materializando, e essa é a percepção de Wall Street a um mês da próxima reunião do Fed – impressão que se vê alimentada pelo eventual impacto do massacre terrorista em Paris, e que poderia levar a equipe sob o comando de Janet Yellen a adiar a alta para 2016.

A ata do encontro realizado há três semanas – antes, portanto, dos atentados de Paris – qualifica como “moderado” o ritmo de crescimento econômico. Também mostra que a maioria dos conselheiros naquele momento era favorável a iniciar o processo de normalização da política monetária antes do final deste ano, para assim abandonar de uma maneira gradual a estratégia de afrouxamento extremo que tem sido adotada desde dezembro de 2008.

MAIS INFORMAÇÕES

Robert Kaplan, que tomou posse em setembro como presidente do Fed de Dallas, está entre os que consideram necessário deixar para trás a política atual. A economia, admite ele, justifica que o preço do dinheiro continue abaixo do normal, mas não considera que uma estratégia de acomodação deva se refletir em juros a 0%. É a tese defendida pelo grupo liderado por Dennis Lockhard, do Fed de Atlanta.

“Continuo achando que logo chegará o momento apropriado para a nova fase”, comenta Loretta Mester, presidenta do Fed de Cleveland, num novo esforço para preparar o mercado para a primeira alta dos juros nos EUA em quase uma década. William Dudley, do Fed de Nova York, acredita que a alta dos juros não causará nenhuma “grande surpresa” quando acontecer, porque é algo que o mercado já espera há vários meses.

Risco externo

A incerteza internacional foi o principal argumento utilizado em setembro para justificar o adiamento, junto com a baixa inflação. Esse risco caiu consideravelmente no comunicado que serviu de guia para o mercado um mês depois. A questão, neste momento, é determinar se os ataques de Paris e a reação posterior nos mercados são causas suficientes para descartar dezembro.

Se considerados os dados internos, a inflação é favorável. Os preços subiram dois décimos em outubro, mas a taxa anual está em baixa, a 0,2%. Lockhart reconhece que as coisas não estão claras desse lado, apesar de ressaltar que as condições “não se deterioraram”. O mercado de trabalho, enquanto isso, criou empregos com solidez neste mês, o que fez subir a 68% a possibilidade de alta dos juros em dezembro.

No entanto, o atentado múltiplo em Paris fez com que o dólar se tornasse um ativo de refúgio. A valorização da moeda já funciona como uma alta dos juros. Os mercados financeiros descrevem estes últimos dias como muito voláteis, enquanto o preço do petróleo em Nova York caiu 40 dólares pela primeira vez desde agosto. O fraco aumento das vendas no varejo também está pesando sobre a decisão.

É essa combinação de incertezas e revalorização do dólar que pode obrigar o Fed a agir com cautela. Em qualquer caso, Yellen deixou claro, em sua última intervenção diante do Congresso, que o próximo passo é aumentar o preço do dinheiro. Os juros negativos podem ser uma ferramenta à qual se pode recorrer, mas apenas se a economia tomar um rumo inesperado.