INDÚSTRIA CINEMATOGRÁFICA

Cinema da América Latina decola com ‘star system’ próprio

Especialistas e cifras confirmam a boa saúde dos filmes latino-americanos hoje O desafio é que a crescente produção alcance o público final

Yanet Mojica e Geraldine Chaplin no filme dominicano 'Dólares de areia'.
Yanet Mojica e Geraldine Chaplin no filme dominicano 'Dólares de areia'.Divulgação

“Aqui é onde é para estar”, exclama Geraldine Chaplin, 71, com seus pequenos olhos azuis arregalados, no hall de um hotel paulistano, onde esteve para a 39a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. “Aqui” não é o hotel e nem necessariamente São Paulo ou o Brasil, mas a América Latina. “Os latino-americanos fazem hoje o cinema mais instigante do mundo. É onde a criatividade circula, onde eu quero trabalhar, onde todo mundo que gosta de cinema de qualidade quer trabalhar”, completa a atriz que roda em média quatro filmes ao ano e já foi dirigida por vários cineastas da região, como, mais recentemente, a dupla Israel Cárdenas e Laura Amelia Guzmán, do filme dominicano Dólares de Areia, e o argentino Pablo Aguero, de Madre de los dioses. Ela – a filha mais velha de Charles Chaplin, um dos pilares da história do cinema, com a atriz britânica Oona O’Neill – pode ser considerada um dos nomes fortes de um star system latino-americano contemporâneo que vem ganhando forma nos últimos 20 anos.

MAIS INFORMAÇÕES

Geraldine está acompanhada do que já pode ser considerado uma pequena multidão. Sempre que um tapete vermelho for estendido para estrelas da região, por ele circularão também atores como os argentinos Ricardo Darín (principalmente ele) e Leonardo Sbaraglia, os chilenos Paulina García e Alfredo Castro, o uruguaio Daniel Hendler, o mexicano Gael García Bernal, a peruana Magaly Soler, o colombiano Marlon Moreno, os brasileiros Wagner Moura e Rodrigo Santoro e até figuras herdadas de Hollywood, como o espanhol Antonio Banderas e o porto-riquenho Benicio del Toro. Na direção, a lista cresce ainda mais facilmente, com cineastas que se destacam em seus respectivos países: Lucrecia Martel e Pablo Trapero na Argentina; Pablo Larraín e Sebastián Lelio no Chile; Carlos Reygadas e Michel no México; Andres Baiz e Carlos Moreno na Colômbia; Paz Encina no Paraguai; Claudia Llosa e Salvador del Solar no Peru; Federico Veiroj no Uruguai; Mariana Rondón e Lorenzo Vigas na Venezuela; Julio Hernández Cordón e Jayro Bustamante na Guatemala; Karim Aïnouz, Kleber Mendonça e Anna Muylaert no Brasil... A enumeração é extensa, e um olhar retrospectivo sobre grandes festivais de cinema pode ajudar a identificar os nomes.

“Foi minha participação em festivais, não meu trabalho como atriz, que me permitiu conhecer esses diretores, com seus olhares pessoais. Assisti ao dominicano Jean Gentil em um deles, me apaixonei imediatamente e comecei a falar bem do filme para todo mundo. Os diretores ficaram sabendo e aí tomaram a iniciativa de me convidar para atuar em Dólares de areia, que é meu filme preferido dos últimos tempos”, conta Geraldine – que no final dos anos 70 e nos 80 trabalhou com cineastas veteranos da região, como o chileno Miguel Littín e o boliviano Jorge Sanjinés. “Mas era outro momento, outra realidade”, compara.

Esses rostos são visíveis hoje, porque no final da década de 90, os diferentes países da região começaram seus processos de retomada cinematográficas – impulsionados por fatores como a recuperação de políticas de fomento à produção, o barateamento da tecnologia com a chegada do suporte digital e o surgimento de escolas e cursos especializados. Impossível, de novo, não citar os festivais, que abriram seus olhos e telas para os filmes da região, como fez o Festival de Berlim com os talentos emergentes na Argentina a partir de 1998 (com a estreia de um ícone da retomada do país, o filme Pizza, birra y faso, de Bruno Stagnaro e Israel Adrián Caetano). Foi lá que foram revelados para o mundo longas-metragens argentinos que marcam um antes e depois na qualidade da cinematografia regional, como O pântano (2001), o primeiro de Lucrecia Martel, e O abraço partido (2004), o segundo de Daniel Burman.

O diretor venezuelano Lorenzo Vigas.
O diretor venezuelano Lorenzo Vigas.ETTORE FERRARI (EFE)

Daquela época para hoje, muita água rolou, engrossando o corpo do rio. De Berlim (sem jamais esquecer de Cannes, o maior festival hoje), chegamos a Veneza, onde um filme latino-americano ganhou o Leão de Ouro pela primeira vez este ano. O feito é de Desde allá, a estreia em longa-metragem do cineasta venezuelano Lorenzo Vigas – que reuniu, em sua equipe, um protagonista chileno, um produtor mexicano e uma montadora brasileira, num claro intercâmbio de talentos regionais. Para Vigas, o filme faz jus ao mérito, ainda que ele tenha ficado “atordoado no começo, sem esperar um prêmio tão importante”. O realizador afirma que, “diante do desastre das políticas públicas”, os esforços de integração latina têm sido basicamente individuais, como foram os dele. Ele concorda com o atual bom estado de saúde do cinema latino-americano, mas não considera isso uma novidade. “Faz tempo que fazemos filmes de qualidade, mas agora eles estão na moda, captaram o olhar do mundo”, diz.

A lógica na verdade é: quanto mais se produz, melhores resultados aparecem. E em todos os países da região o salto foi substancial. No Brasil, passamos de produzir (e lançar) seis filmes em 2003 para 114 em 2014. No México, de 2000 a 2014, esse salto foi de 16 a 130; na Argentina, de 48 em 2003 a 148 previstos ao final de 2015; e na Colômbia, de duas em 2004 a 28 em 2014. Vale ainda citar casos como o do Paraguai, que interrompeu um hiato de 39 anos sem nenhum filme produzido com o lançamento de Hamaca paraguaya, de Paz Encina, em 2006, ou o do Panamá, sem lei nacional de cinema até 2012. “Além das alternativas nacionais de fomento à produção, através das leis e de convocatórias, foram surgindo fundos de festivais, como o de Roterdã, para financiar exclusivamente projetos oriundos de cinematografias ditas emergentes. Eles continuam existindo, resistindo às crises econômicas, e é possível dizer hoje em dia que é mais fácil financiar um filme latino-americano que um europeu”, afirma o produtor espanhol Luis Miñarro – que, ao lado de Geraldine Chaplin, participou do júri oficial da 39a Mostra.

Para ele, que produziu filmes dos argentinos Lizandro Alonso e Gustavo Taretto e da brasileira Clarrisa Campolina, a Espanha já foi uma coprodutora muito mais potente da América Latina, especialmente por sua proximidade cultural, mas viu seus recursos para o audiovisual minguarem com a crise de 2008, e teve seu espaço ocupado especialmente pela França e pela Alemanha. “O fundo espanhol foi reduzido, nos últimos quatro anos, em 70%. Passou de 93 milhões de euros a 34 milhões, que é o recurso de que dispõe hoje a Colômbia, por exemplo. Com a diferença que a Colômbia lança 20 e poucos longas ao ano, e a Espanha, 140”, detalha Miñarro. Para efeito de comparação, o fundo francês para o audiovisual, incluindo todo o tipo de investimentos no setor, é de aproximadamente 800 milhões de euros.

Cena do filme colombiano 'A terra e a sombra', que estreia dia 19 de novembro no Brasil.
Cena do filme colombiano 'A terra e a sombra', que estreia dia 19 de novembro no Brasil.Divulgação

Falando em Colômbia, é patente que o país vive um boom cinematográfico e tem tudo para ocupar o lugar que pertenceu à Argentina nos principais festivais internacionais. A lei nacional de cinema, lançada em 2003, serviu para que a produção tomasse um ritmo e pudesse alcançar a participação que têm os filmes nacionais na bilheteria do país: um pico de 10,5% em 2008. Já a chamada lei de rebate, que convida produções estrangeiras a rodar em solo colombiano prometendo a devolução de 40% dos gastos em audiovisual, pretende que o dinheiro ingressado no país mova a indústria local e também ajude a formar profissionais. Isso tem acontecido, vide obras da envergadura de Os 33 e Narcos, e a Colômbia está de fato virando cenário mundial – ainda que muitos profissionais do setor discordem da iniciativa. Ambas leis fazem uso de dinheiro público para alcançar seus objetivos. Segundo Cesar Augusto Acevedo, diretor de A terra e a sombra, premiado em Cannes e que estreia em cidades brasileiras dia 19 de novembro, “é possível que a produção de cinema autoral na Colômbia decaia, porque a lei de rebate está fazendo com que os custos de produção, nivelados por cima com produções como Narcos, subam demais”.

Enquanto o debate se dá, a agência de fomento e promoção do cinema colombiano continua selecionando projetos para distribuir os recursos do Estado. Não há filme bem-sucedido (selecionado e premiado por festivais, lançado em salas comerciais) na história recente do cinema colombiano que não tenha sido premiada pelo chamado Fondo del Desarrollo Cinematográfico (FDC). Na mais recente convocatória, em outubro, foram distribuídos cerca de 4,6 milhões de dólares a 42 projetos de distintas categorias. Um dos 66 especialistas convidados a selecionar de projetos – que serve também como um ambiente de networking – foi a distribuidora carioca Ana Luiza Beraba, da Esfera Filmes. “Fiquei impressionada com o processo de seleção, que mistura profissionais colombianos e de outros países para equilibrar as visões e criar relações entre eles. Analisamos projetos de várias regiões do país, e há coisas boas vindo aí”, revela.

Com tantas conquistas, Geraldine Chaplin e Luís Miñarro veem um belo futuro para o cinema latino-americano. Mas ele só é possível, acreditam, “se o problema do acesso do público aos filmes for resolvido”. “O que o cinema latino sofre é uma censura econômica em seus próprios países, inclusive. Os filmes são feitos com esforço, têm qualidade, mas frequentemente esbarram no veto de um exibidor que simplesmente não abre espaço para eles e prioriza os blockbusters de sempre”, diz Miñarro.

Inspirada na legislação francesa, a única do mundo que diz que para cada longa dos Estados Unidos a ser exibido na França é preciso exibir um longa francês, Geraldine não perde a esperança de que a barreira da circulação dos filmes (“comum a todo o mundo”) seja resolvida. “O que importa é haja diretores talentosos e o talento de cada diretor”, resume a incansável atriz, que já tem em vista um jovem cineasta latino-americano com quem adoraria trabalhar. É um colombiano que se chama Rubén Mendonza, tem 35 anos e dirigiu La sociedad del semáforo. “Você já viu esse filme? É uma jóia”.

Arquivado Em: