Champions League: Real Madrid x PSG terá encontro de craques e amigos

Atletas mais imprevisíveis do Real de Mourinho, Marcelo e Di María voltam a se encontrar

Lavezzi, Di María e Ibrahimovic no Bernabéu. / Foto: REUTERS/ Vídeo: ATLAS

Os dois nasceram nos primeiros meses de 1988. Ambos canhotos. Ambos se defrontando com um século de rivalidade futebolística que, como costuma acontecer entre argentinos e brasileiros quando atuam em uma mesma equipe, redundou em empatia e cumplicidade. Estiveram juntos no Real Madrid de 2010 a 2014. Deram o acabamento final ao décimo título do clube na Liga dos Campeões. Esta noite, eles se reencontrarão no Santiago Bernabéu, mas cada um com uma camiseta diferente.

Mais informações
Mourinho está “acabado”
Só há um atacante mais perigoso do que Neymar e Ronaldo na Espanha
O Real Madrid apresenta seus reservas

Frente a frente na mesma faixa do campo, Marcelo e Di María travarão um duelo que bem vale um ingresso para a tribuna lateral do estádio. Ninguém que os conhece bem duvida que se atacarão mutuamente, pois ambos veem o jogo da mesma maneira. Sentem que exibir a sua destreza é um dever, mais do que profissional, pessoal. Talvez os holofotes apontem mais para Ibrahimovic e Cristiano Ronaldo, mas são o carioca e o rosarino que concentram a essência do confronto entre o Real Madrid e o PSG pela liderança do Grupo A.

“O Di María não aparece muito”, disse Marcelo ontem, referindo-se aos cartazes publicitários da Liga dos Campeões. “Mas trabalha permanentemente para o time. Para mim, é uma grande honra jogar com o Di María, seja no mesmo time, seja contra. Além de ser um grande jogador, é um dos grandes amigos que eu fiz no futebol”.

Marcelo é o jogador que mais vezes tocou na bola (1.004 jogadas) na Primeira Divisão

Marcelo é o jogador do plantel atual que mais tempo atuou com a camisa do Real, depois de Sergio Ramos. O que não foi nada fácil para ele. Na primavera de 2011, José Mourinho o avisou que contrataria um outro lateral esquerdo para rivalizar com ele, pois não estava convencido do seu nível técnico. O treinador português, como fazem os gestores de pessoal mais previsíveis, achava que a concorrência estimularia o atleta. Chegou, então, Coentrão. Desde então, Marcelo permaneceu sob suspeita. Nesta temporada, pela primeira vez, ele se vê sozinho na posição, jogando a cada dia mais e melhor. O peso que tem na equipe vem aumentando exponencialmente. É o jogador da Primeira Divisão que mais vezes toca na bola (1.004 jogadas) e o atleta do Real Madrid que mais bolas recupera (62 no total, com uma média de 8,2 por rodada).

Pep Guardiola costumava dizer que, quando preparava o Barcelona para as partidas contra o Real Madrid de Mourinho, os jogadores com que mais se preocupava eram Marcelo e Di María. Porque no Real Madrid de Mourinho acontecia algo que depois se consolidou, até se transformar em um padrão: quando atacava, era um time previsível. Um time repetitivo, a não ser quando apareciam os únicos jogadores cujo estilo, mesclando dribles e velocidade, criava uma mistura surpreendente e heterodoxa capaz de se sobrepor às rígidas definições táticas. O tempo só fez acentuar essa tendência. Foi o que aconteceu com o Real Madrid de Ancelotti, e é algo que se aprofunda agora com Benítez. A equipe está a cada dia mais impenetrável na defesa –um time mais “equilibrado”, como dizem os especialistas— e mais burocrática no ataque. É como um prédio inteiro de repartições públicas onde nenhum funcionário destoa mais e é tão necessário quanto Marcelo.

Benítez se mostra satisfeito em ter um subordinado rebelde mas que resolve os problemas. “Acredito que o Marcelo é um dos melhores laterais do mundo”, disse o treinador. “É claramente ofensivo. Contribui muito para o nosso ataque, dando-lhe qualidade, amplitude e mais vibração. Em Vigo, acabamos fazendo um gol com os dois laterais. Isso é típico de um time que joga para a frente. Treinamos muito com ele para ajustar aspectos defensivos, mas ele tem bastante liberdade. Acrescenta demais para o time e desequilibra muito em todos os jogos”.

Marcelo, cuja cabeleira crespa cresceu tanto que lhe dá feições de boneco, atravessa o seu momento de maior reconhecimento na Espanha. Alguém lhe perguntou, nesta segunda-feira, se ele se via como o melhor lateral esquerdo do mundo, ao que o jogador respondeu sem hesitar, o rosto imóvel como o de um ventríloquo:

— Não.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS