_
_
_
_

Partido de Erdogan recupera a maioria absoluta na Turquia

Com mais de 99% dos votos apurados, o AKP consegue 50% nas eleições antecipadas

Erdogan depois de votar em Istambul (Turquia).Foto: reuters_live | Vídeo: H. M. (AP) /Reuters
Juan Carlos Sanz

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Os turcos parecem ter escutado a voz de Recep Tayyip Erdogan ao depositar, neste domingo, os seus votos no distrito de Camilla, na parte asiática de Istambul. “É a opção que beneficia a estabilidade da nação”, respondeu o presidente turco ao ser questionado se esperava a eleição de um governo com maioria absoluta nessas eleições. Com mais de 99% dos votos apurados, a emissora de televisão estatal TRT informou que o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP, islâmico e conservador) de Erdogan conseguiu 50% dos sufrágios, seguido pelo Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata e laico), que alcançou 22%. Os outros dois competidores, o Partido de Ação Nacionalista (MHP, extrema direita) e o Partido Democrático do Povo (HDP, nacionalista curdo) rondaram os 12% de votos, próximos ao fio da navalha eleitoral de 10%, abaixo do qual o acesso ao Parlamento é bloqueado.

Mais informações
Partido de Erdogan vence, mas perde a maioria absoluta
Às vésperas da eleição, jornais pedem garantias à imprensa na Turquia
Recep Erdogan, o rei está nu
EDITORIAL | A Turquia retrocede

Ainda que falte a apuração dos colégios eleitorais de grandes cidades do oeste e do sul do país para o resultado final, analistas políticos turcos e fontes do próprio partido governamental destacam que será difícil que o AKP fique abaixo das 276 cadeiras, que fixam a maioria absoluta na Câmara de 550 deputados. O partido de Erdogan recuperaria a maioria que perdeu nas eleições do último dia 7 de junho, quando ficou com 40% dos votos, pela primeira vez em 13 anos de poder. A impossibilidade de fechar um acordo de coalizão com outra força política forçou a repetição do pleito neste domingo.

A jogada política parece ter funcionado bem para o presidente turco, que aos 63 anos busca mudar a Constituição para dar poderes executivos ao chefe de Estado, de acordo com o modelo que governa a França desde 1958. Não é previsível se o AKP contará com a maioria qualificada de três quintos do Parlamento para poder submeter a emenda constitucional diretamente a referendo. Os turcos participaram das eleições em massa, acima de 80% da população, segundo estimativas da imprensa, em uma jornada eleitoral que se desenvolveu sem muitos incidentes.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_