Espanhol que matou esposa no Brasil é acusado de homicídio

Jesús Figón confessou em maio que matou a esposa brasileira a facadas

Jesús Figón, em uma foto de 2004.
Jesús Figón, em uma foto de 2004.Jeffrey Arguedas (EFE)

Promotores brasileiros acusaram o delegado de polícia da Espanha Jesús Figón de homicídio pela morte da esposa. O conselheiro de Interior na Embaixada da Espanha em Brasília confessou em 12 de maio deste ano que, após uma discussão acalorada, havia matado a facadas Rosemary Justino Lopes, de 50 anos e nacionalidade brasileira. O delegado, de 64 anos, alegou, no entanto, que agiu em "legítima defesa", um argumento que foi rejeitado pelos responsáveis da investigação.

O escritório de advocacia Ilocad, comandado pelo ex-juiz Baltasar Garzón e que assumiu gratuitamente a defesa de Figón, destacou que os promotores brasileiros descartaram a hipótese de feminicídio, o que agravaria o crime. Os advogados argumentam que, como não houve um crime de violência de gênero, o acusado deve recuperar a imunidade diplomática para ser julgado na Espanha, na Audiência Nacional. "A imunidade de nenhuma forma equivale à impunidade", destacou o escritório em um comunicado.

O Ministério de Relações Exteriores da Espanha suspendeu a imunidade do delegado para que ele respondesse pela morte da esposa no Brasil. As autoridades brasileiras já haviam solicitado que a Espanha retirasse os privilégios concedidos pela Convenção de Viena, segundo os quais Figón não poderia ser preso nem julgado no Brasil.

Mais informações
Autoridade espanhola que matou a mulher poderá ser julgada no Brasil
Funcionário espanhol que matou mulher pode perder imunidade
Autoridade da embaixada da Espanha se entrega após matar mulher
Brasileira é nova vítima de violência doméstica na Espanha
Um mapa aponta os lugares mais perigosos para as mulheres no Brasil
Uma em cada três mulheres foi agredida por seu parceiro na América Latina
Os 90 minutos fatais para uma mulher
O lento caminho das latino-americanas rumo à igualdade

A defesa de Figón lembrou que o ministro de Relações Exteriores espanhol, José Manuel García-Margallo, havia dito em 13 de maio que, se a investigação demonstrasse que se tratava de um caso de violência machista, a Espanha suspenderia a imunidade diplomática. No entanto, o escritório de advocacia observa que a imunidade foi retirada imediatamente, antes de qualquer ação investigativa.

O policial, que era responsável pela segurança da embaixada, afirmou que a vítima havia consumido bebidas alcoólicas e que ela estava dormindo no sofá do apartamento do casal, na capital Vitória, Espírito Santo, quando decidiu despertá-la. "Naquele momento, Rosemary pegou uma faca e avançou contra o acusado, que tentou tirar a arma da mão da vítima, dando início a uma luta corporal entre ambos", de acordo com informações contidas na relação de fatos comprovados no documento da denúncia.

O caso ainda está sendo investigado em Vitória, onde Figón se apresentou voluntariamente às autoridades policiais para confessar que havia matado a esposa. A mulher morreu em decorrência de vários ferimentos provocados por uma faca. O delegado pediu para ser julgado na Espanha.

O juiz da Audiência Nacional, Eloy Velasco, havia intimado Figón para depor em 30 de junho, por entender que se tratava de um crime cometido por um espanhol no exterior. O juiz aceitava assim uma queixa da filha do casal.

No entanto, no início de setembro, o juiz Velasco ordenou o arquivamento provisório do caso, já que um tribunal de Vitória não autorizou a ida do delegado a Madri.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS