Volkswagen admite ter enganado os EUA com a emissão de gases poluentes

Autoridades dos Estados Unidos ameaçaram proibir a venda de novos modelos a diesel “Lamento ter desapontado nossos clientes e a opinião pública”, diz o CEO

O CEO da VW, Martin Winterkorn, durante a feira do automóvel de Frankfurt, em 14 de setembro.
O CEO da VW, Martin Winterkorn, durante a feira do automóvel de Frankfurt, em 14 de setembro.ODD ANDERSEN (AFP)

A Volkswagen, maior fabricante de automóveis do mundo, juntamente com a Toyota, admitiu neste domingo ter enganado a agência dos Estados Unidos encarregada da proteção do meio ambiente (EPA, pela sigla em inglês), ao instalar em vários modelos a diesel, de forma deliberada, um programa de computador projetado para burlar os limites de emissões de gases. Um porta-voz do grupo, que tem sede em Wolfsburg, afirmou que a empresa já admitiu a fraude ante as autoridades norte-americanas, acrescentando que as duas partes estão em contato permanente para resolver o problema.

Pouco depois, o presidente-executivo (CEO) da VW, Martin Winterkorn, viu-se obrigado a declarar que a empresa iniciou uma profunda investigação para descobrir a origem da fraude. Ele pediu desculpas pelo delito cometido, que pode significar um desastre para a empresa. “Pessoalmente, lamento profundamente ter desapontado nossos clientes e a opinião pública”, assinalou. “Esse fato tem para o conselho executivo da Volkswagen e para mim, pessoalmente, uma prioridade absoluta”, acrescentou.

Mais informações

A EPA denunciou sexta-feira que a VW havia manipulado um programa informático instalado em cerca de 500.000 modelos a diesel das marcas VW e Audi, que foram vendidos entre os anos de 2008 e 2015. Os modelos que devem ser revisados são as versões de quatro cilindros do Jetta, Fusca, Audi 3, Golf e Passat. Segundo um comunicado da agência, esses modelos emitem até 40 vezes mais contaminantes do que o permitido. “É uma violação muito séria, é ilegal e é uma ameaça à saúde”, assinalou a EPA.

Esse anúncio foi feito dois meses depois que a EPA enviou uma carta à Volkswagen, datada de 8 de julho, avisando que se a empresa não modificasse o sistema, não seria autorizada a vender novos modelos a diesel nos Estados Unidos.

Uma multa de 37.500 dólares por carro vendido

A fraude armada pelos engenheiros da Volkswagen, admitida neste domingo pelo principal executivo do grupo, pode acabar com a carreira de Winterkorn e, se não houver um acordo extrajudicial, a empresa alemã pode ter de pagar uma multa de até 37.500 dólares (148.000 reais) por veículo vendido, o que no total chegaria a 18 bilhões de dólares (71 bilhões de reais). Seria a indenização mais alta paga por uma empresa alemã nos EUA.

Por enquanto, a EPA, cujo departamento de supervisão é dirigido com mão de ferro por Cynthia Giles, uma diplomada de Harvard que trabalhou durante anos como procuradora, não informou se levará a gigante alemã aos tribunais. Em um gesto conciliatório, ela admitiu que cabe à empresa realizar um processo para consertar o sistema de escapamento dos automóveis.

O ramo de oliva oferecido pela dirigente da EPA foi aceitado por Winterkorn neste domingo. O CEO declarou que a Volkswagen não tolerará nenhuma violação de nenhum tipo de lei. “Estamos trabalhando com as autoridades competentes de forma conjunta e global com o objetivo de esclarecer os fatos de maneira rápida e transparente”, disse Winterkorn.

A saída de Piëch

Mas o principal executivo da Volkswagen não teve palavras para explicar os motivos que levaram o grupo a enganar as autoridades ambientais dos EUA. Esse pecado fez ressurgir a luta fratricida vivida pelo grupo alemão em abril, quando o ex-presidente do Conselho de Administração da VW, Ferdinand Piëch, admitiu para a revista Der Spiegel que tinha “se distanciado de Winterkorn”, em uma crítica à gestão do CEO da empresa nos EUA.

Será que Piëch sabia da fraude da Volkswagen nos Estados Unidos? A guerra acabou causando a saída do patriarca da empresa, mas agora o desastre que o grupo alemão está vivendo nos EUA pode acabar com a carreira de Winterkorn. Será que o CEO da VW sabia da manipulação feita nos carros vendidos no mercado norte-americano?

“Todo esse processo é perigoso e seu alcance não pode ser previsto”, assinalou Ferdinand Dudenhöffer, talvez o maior especialista na área. “A única coisa certa é que será muito caro”, acrescentou.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: