Seleccione Edição
Login

Queda do preço do petróleo aproxima o Equador da recessão

Presidente Rafael Correa admite que a economia equatoriana está ficando estagnada

Um agricultor conduz a suas ovelhas em Mulaló, Equador.
Um agricultor conduz a suas ovelhas em Mulaló, Equador. AP

O presidente do Equador, Rafael Correa, admitiu pela primeira vez diante da imprensa estrangeira que a economia do país está estagnada e poderá decrescer em 2015. Embora tenha afirmado antes que as contas são tão sólidas que poderiam aguentar um preço do barril de petróleo na casa dos 20 dólares, esta semana ele se rendeu a uma realidade que analistas econômicos já vaticinavam. “Estamos revisando nossas expectativas de crescimento e pode ser que este ano não cresçamos ou então decresçamos”, admitiu o mandatário, economista por formação, depois de meses acumulados com uma cotação do barril entre 40 e 50 dólares.

O país, cuja economia depende da produção de petróleo, já cortou 2,2 bilhões de dólares (8,58 bilhões de reais) dos 36,32 bilhões de dólares (141,6 bilhões de reais) do orçamento aprovado no final de 2014 para este ano por causa da queda de mais de 50% do preço do produto. Em julho, o Banco Central do Equador rebaixou as previsões de crescimento para 2015 de 4,1% para 1,9%. O país está sentindo as consequências da queda do preço do petróleo, e o montante é tão grande que talvez lhe reste ficar com uma receita muito pequena.

O prognóstico de queda na economia já era previsto em julho por Fausto Ortiz, ex-ministro das Finanças durante a primeira legislatura: “Não seria estranho que o Equador registrasse um crescimento levemente negativo, abaixo de zero”. Na época, o Banco Central do Equador reduziu as previsões de crescimento iniciais de 4,1% para 1,9% em 2015, em consonância com a cifra também estimada pela Comissão Econômica para a América Latina e Caribe das Nações Unidas (Cepal).

O baixo preço do petróleo aliado a uma elevada cotação do dólar norte-americano (moeda que o Equador usa desde 2000) aproximam o horizonte da recessão. No primeiro trimestre, o PIB do país caiu 0,5% em relação ao último trimestre de 2014. A cifra oficial que corresponde a abril, maio e junho estará disponível entre o final de setembro e outubro, mas as declarações de Correa indicam que já será confirmada a recessão técnica.

As dificuldades econômicas que o país atravessa também não surpreendem o setor empresarial. Roberto Aspiazu, diretor executivo do Comitê Empresarial Equatoriano (a associação que representa o setor privado), se queixa de que o Governo não tenha divulgado oficialmente as estatísticas do segundo trimestre para confirmar que nos últimos seis meses a economia do país veio abaixo. “As vendas e o consumo já caíram. O que importa agora é observar como o Governo de Correa vai lidar com a redução fiscal”, afirma.

A mesma inquietação preocupa o ex-ministro Ortiz, que diz não haver “recursos para equilibrar o ritmo de gastos”. Em uma economia de 100 bilhões de dólares (PIB), já é preciso fazer um desconto de 7 bilhões por receitas do petróleo. Um corte confirmado ontem pelo presidente, que terá de enfrentar seu primeiro ano de crescimento negativo desde que chegou ao poder em 2007. “Houve três trimestres de decréscimo do PIB em 2001, 2007 e 2009, mas nunca um ano inteiro”, recorda Ortiz.

Efeitos do superdólar

“O Equador é economicamente dependente do petróleo e o seu modelo de crescimento está baseado em variáveis externas que não podem ser controladas”, explica Joselo Andrade, pesquisador do Instituto Equatoriano de Economia Política. Além do petróleo, o país enfrenta os efeitos de um superdólar.

Com um câmbio médio equivalente a quase 4 reais por dólar este ano, as atividades produtivas do Equador perdem competitividade no plano internacional. Ou seja, o produto equatoriano se torna mais caro. Por isso, caem as exportações, das quais tanto depende uma economia dolarizada que não pode desvalorizar sua moeda –algo que fizeram países vizinhos como Colômbia e Peru–, o que provocou uma saída de divisas que o Governo enfrenta à base de restrições às importações e aumento de impostos e taxas alfandegárias.

Essa armadura comercial estabelecida pelo Governo progressista de Correa é precisamente o mais questionado pela maioria dos setores produtivos do país há meses. Miguel Ángel González, vice-presidente da Câmara de Comércio de Guayaquil, a segunda cidade mais importante do país, depois da capital, Quito, propõe sua retirada para incentivar a chegada de investimento estrangeiro.

O discurso se repete como mantra na construção, na indústria e no setor automobilístico porque, segundo suas críticas, isso encarece os produtos vendidos no país, provoca a queda do consumo e enfraquece os negócios.

E se não bastasse todo esse contexto internacional, o fenômeno do El Niño ameaça voltar tão forte como em 1997, quando as inundações deixaram perdas de 2,8 bilhões de dólares (10,9 bilhões de reais), segundo a Corporação de Fomento Andino.

MAIS INFORMAÇÕES