Federal Reserve

Estados Unidos adiam a elevação das taxas de juros

O Federal Reserve mostra sua cautela por turbulências na China e nos países emergentes

Janet Yellen, presidenta do Federal Reserve, dos EUA.
Janet Yellen, presidenta do Federal Reserve, dos EUA.Andrew Harrer (Bloomberg)

A prudência ganhou a partida. O Federal Reserve decidiu na quinta-feira adiar o aumento das taxas de juros – mais uma vez – apesar de que os dados de crescimento do emprego davam argumentos para começar a fechar a torneira do dinheiro grátis por medo de um superaquecimento dos mercados. As debilidades globais, com a desaceleração da China à frente, tiveram um peso suficiente no maior banco central do mundo. E o que será o primeiro aumento em quase uma década ainda desperta receios, sete anos depois da queda do Lehman Brothers.

Mais informações

Há anos não havia tanta incerteza sobre a decisão do Fed. Pesquisas entre economistas estavam até um minuto antes do anúncio a quase 50% entre os que acreditavam que haveria uma subida e os que esperavam a manutenção do nível atual das taxas (uma faixa entre 0% e 0,25%). No entanto, nos movimentos dos mercados financeiros, meia hora antes do comunicado da instituição, as apostas davam 4 a 1 de que o dinheiro continuaria perto de 0%.

No comunicado, o Fed argumenta que “a recente evolução econômica global e a evolução financeira podem atrapalhar a atividade econômica e é provável que coloquem mais pressão para a queda da inflação no curto prazo”. Na quarta-feira passada, foi revelado que os preços tinham caído 0,1% em agosto e avançaram apenas 0,2% em relação ao mesmo mês de 2014, muito abaixo da meta de inflação a longo prazo de 2%. Este é um álibi para manter o estímulo monetário intacto, mas é fundamental que o Fed tenha usado a palavra “global” em seu comunicado, deixando claro que o atraso de novo tem a ver com fatores externos.

Além disso, a instituição de Washington afirmou que “o comitê atualmente prevê que, mesmo depois que o emprego e a inflação estiverem perto dos níveis consistentes com o mandato, as condições econômicas podem justificar manter as taxas abaixo dos níveis que o comitê vê como normais, a longo prazo”. Houve apenas um dissidente na decisão: Jeffrey Lacker.

Esta é a ideia de fundo dos analistas que defendiam esperar: se a decisão de elevar as taxas for um fato, não importa fazer isso um mês antes ou depois, então é melhor estar bem de saúde e esperar para ver como evoluem as dúvidas sobre a China, qual a profundidade da desaceleração da segunda economia mundial.

Havia também algo mais imediato e simples: os mercados ainda duvidavam do que iria acontecer. Para encontrar um precedente relevante, é preciso voltar a 1994, quando o Fed elevou as taxas em 0,25%, algo que só 30% do mercado achava que ia acontecer (parecido à situação atual) e o resultado foi batizado pela revista Fortune como “O massacre do mercado de títulos”.

Richard Koo, da Nomura, também via argumentos na macroeconomia: “Os dados mais recentes sobre a inflação e fatores externos, como a força do dólar e a queda dos preços do petróleo, indicam que não há necessidade de acelerar um aumento das taxas de juros”.

As projeções divulgadas na quinta-feira, no entanto, melhoram as perspectivas para o mercado de trabalho: colocam a taxa de desemprego em 5% este ano e 4,8% em 2016, em comparação com 5,3% e 5,1 % que era calculado antes. Além disso, os técnicos não acreditam que a taxa de inflação atinja a meta de 2% antes de 2018.

Os defensores do aumento das taxas argumentavam que a subida seria mínima – 0,25% – e seria um gesto de normalidade e credibilidade da instituição. Além disso, também fica claro que quanto mais for adiado o caminho para a chamada normalização monetária, mais brusco pode ser o processo e isso é que causaria sacudidas nos mercados.

Mas o Fed é o banco central mais observado e temido do mundo. O que ele fizer repercute diretamente nas economias emergentes – muito endividadas em dólares – e nos mercados financeiros, por isso redobrou nos últimos meses a pressão de instituições como o FMI e o Banco Mundial para que esperasse mais. A força do dólar também pode frear o ímpeto exportador norte-americano.

Ainda assim, 13 dos 17 membros do Fed ainda acreditam que o aumento acontecerá antes de 2016 (dezembro parece mais adequado, porque é uma reunião com posterior coletiva de imprensa, mas isso não é definitivo). Em junho, eram 15 dos 17 que acreditavam nisso. A incerteza toma conta de Washington.