Eleições na Guatemala 2015

Onda de indignação popular desbanca candidatos na Guatemala

Eleições gerais neste domingo são marcadas pela incerteza, e nenhum candidato se beneficia da revolta Número de indecisos cresce e pode se refletir em aumento da abstenção

Um grafite nas ruas da Cidade da Guatemala.
Um grafite nas ruas da Cidade da Guatemala.RODRIGO ARANGUA / AFP

Os guatemaltecos amanheceram no sábado, a habitual jornada de reflexão na véspera das eleições gerais, com mais incertezas do que nunca a respeito de quem eleger para governar o país entre 2016 e 2020. Nenhum dos 14 candidatos convence a opinião pública, acostumada durante décadas a votar no “menos mau”, com resultados nada alentadores.

O pleito deste domingo serve para eleger o presidente e o vice-presidente da República, além de 158 deputados do Congresso unicameral e os vereadores dos 338 municípios guatemaltecos.

Tudo indica que o voto dos indecisos se inclinará pelo castigo. “Vou votar muito cedo, para passar o resto do dia em casa acompanhando a jornada pela televisão”, diz Ernesto, morador de San Lucas Sacatepéquez, cidade-dormitório 33 quilômetros a leste da capital. “Ainda não sei quem escolher. Nenhum me convence." Seu amigo Luis explica: “Inicialmente pensamos em anular o voto, mas isso favoreceria Manuel Baldizón, um candidato que, com sua prepotência e nulo respeito pela lei, conquistou a nossa rejeição. Votaremos contra ele”, comentou, enquanto se abasteciam com cervejas e petiscos num supermercado, poucas horas antes de a lei seca eleitoral entrar em vigor até 12h de segunda-feira (hora local).

Na Guatemala, uma candidata presidencial e um candidato a vice podem ser impedidos de assumir caso vençam a eleição

As Igrejas católica e evangélica, de inegável influência junto à população, convocaram seus fiéis para irem às urnas rejeitar os corruptos. “Fazemos um chamado a não votar em candidatos sobre os quais haja indícios de corrupção”, disse em nota a Conferência Episcopal da Guatemala (CEG). Álvaro Ramazzini, um dos bispos mais influentes do país, acrescentou: “Para que as futuras autoridades tenham legitimidade, mas também o compromisso de atuar de forma correta, apegadas à lei e buscando o bem comum”.

Essa frase é um reflexo de todas as eleições na Guatemala desde o fim das ditaduras militares, em 1985. Para começar, não se pode falar com rigor sobre a existência de partidos políticos. São organizações que surgem ao redor de um líder sem ideologia nem carisma, mas apoiado em dinheiro suficiente para impulsionar a sua pessoa com o único propósito de espoliar os recursos do Estado. Tampouco se cerca de pessoas dispostas a trabalharem pelo país. Ele só precisa de cúmplices fiéis.

Mais informações

À incerteza se soma o fato de, a poucas horas da abertura das urnas, uma candidata à presidência, Zury Rios, e um candidato a vice, Edgar Barquín, estarem expostos a problemas judiciais para assumir os cargos caso vençam o pleito. A primeira é filha do militar golpista Efraín Rios Montt, o que representa um impeditivo constitucional à sua candidatura, ao passo que Barquín é acusado de formação de quadrilha e outros crimes pela Comissão Internacional Contra a Impunidade na Guatemala (CICIG) e o Ministério Público.

Barquín é o companheiro de chapa de Manuel Baldizón, candidato favorito nas pesquisas até a revelação dos escândalos que levaram o atual presidente, Otto Pérez Molina, a renunciar e ser preso na semana passada.

Embora as pesquisas indicassem três favoritos no começo do mês – Baldizón, um milionário excêntrico; Jimmy Morais, comediante de televisão apoiado pelos militares mais conservadores; e Sandra Torre, ex-mulher do ex-presidente Álvaro Colom (2008 e 2012) –, os últimos acontecimentos prenunciam uma queda de dois deles, embora haja uma absoluta incerteza sobre quem poderia substituí-los. Para vencer a eleição em primeiro turno, o candidato precisa ter mais de 50% dos votos válidos, algo que nunca ocorreu. O mais que provável segundo turno está marcado para 25 de outubro.

Preocupa também o risco de distúrbios em alguns municípios de Chimaltenango, Quetzaltenango (oeste) e Quiché (norte), onde o cadastro eleitoral ultrapassa em muito o censo populacional. Trata-se de uma velha prática mafiosa dos partidos: cadastrar seguidores em comunidades onde o grupo político tem pouca presença. Em El Tejar (município de Chimaltenango, a uma hora da capital), os moradores instalaram na manhã de sábado uma manta gigantesca onde se adverte que os eleitores trazidos pelos candidatos serão linchados. A polícia foi colocada de prontidão.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50