_
_
_
_

Imperador do Japão expressa seu “remorso” por papel na II Guerra

Akihito corrige o premier Shinzo Abe, que na sexta só expressou “o mais profundo pesar”

Macarena Vidal Liy

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

O imperador Akihito e a imperatriz Michiko, no sábado em Tóquio.
O imperador Akihito e a imperatriz Michiko, no sábado em Tóquio.KIYOSHI OTA (EFE)

O imperador japonês, Akihito, abandonou neste sábado seu discurso habitual no 70º aniversário do fim da II Guerra Mundial na Ásia. Em uma aparente correção a seu primeiro-ministro, Shinzo Abe, que na sexta-feira expressou “o mais profundo pesar”, mas não pediu desculpas expressas pelo papel do Japão no conflito, o soberano declarou um “profundo remorso” pelos atos de seu país naquele tempo.

Mais informações
Hiroshima e Nagasaki antes e depois
Nos EUA, lançamento da bomba em Hiroshima é justificado por 56%
Sobrevivente de Hiroshima: “Um exército de fantasmas veio até mim”
70 anos após a bomba de Hiroshima, Japão exige o fim das armas atômicas
Os crimes sem castigo da II Guerra Mundial

“Refletindo sobre nosso passado e tendo em conta os sentimentos de profundo remorso sobre o conflito passado, espero sinceramente que os desastres da guerra jamais se repitam”, declarou Akihito na cerimônia em memória aos mortos no conflito, 70 anos depois de seu pai, Hirohito, anunciar a rendição de um Japão abalado pelas bombas atômicas de Hiroshima e Nagasaki.

Como chefe de Estado, o imperador não pode desempenhar um papel político e deve ponderar cuidadosamente suas palavras e gestos. Akihito já tinha expressado seu arrependimento em outras ocasiões, mas nunca no aniversário do fim da guerra, em que até agora sempre tinha lido exatamente o mesmo discurso. O gesto deste sábado, sem precedentes, é a declaração mais explícita que pode fazer sobre suas opiniões sem sair de seu papel institucional.

Na sexta-feira, em um esperado discurso, Abe reconheceu que o Japão “infligiu danos e sofrimentos incomensuráveis a pessoas inocentes”. “Quando contemplo este fato óbvio, mesmo agora, encontro-me sem palavras e meu coração é tomado pelo mais profundo pesar”. O primeiro-ministro, de fortes convicções nacionalistas, acrescentou que as próximas gerações de japoneses não deveriam ser obrigadas a pedir perdão pelo conflito.

A China e a Coreia do Sul, dois países que ainda mantêm disputas com o Japão pelo legado da guerra e que tinham deixado claro que o desenvolvimento das relações bilaterais dependeria da satisfação com a linguagem empregada por Abe nesse discurso, expressaram decepção.

“O Japão deveria ter feito uma declaração explícita sobre a natureza militarista e agressora da guerra e sua responsabilidade no conflito; deveria ter apresentado uma desculpa sincera aos povos dos países vitimados e marcar uma ruptura clara com o passado de agressão militarista, em vez de ser evasivo nesta importante questão de princípios”, declarou a porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Hua Chunying.

Na Coreia do Sul, o principal atrito com o Japão é o tratamento dado às “mulheres de conforto” forçadas a servir como escravas sexuais nos bordéis militares japoneses durante a colonização. A presidenta Park Geun-hye destacou que Abe manteve as declarações de governos anteriores sobre o papel do Japão, mas indicou que o discurso continha “elementos lamentáveis”. Especificamente, lamentou que o primeiro-ministro só tenha se referido de maneira indireta àquelas mulheres e exigiu que Tóquio resolva o assunto sobre “a honra e a dignidade” dessas vítimas de maneira adequada e o mais rápido possível.

Abe se absteve no sábado de um ato potencialmente explosivo nas relações com a China e a Coreia do Sul: a visita ao santuário de Yasukuni, onde são homenageados os mortos em conflitos, entre eles 14 criminosos de guerra. Tanto Seul como Pequim consideram o santuário um símbolo do militarismo japonês.

O primeiro-ministro, que desencadeou uma tempestade nas relações com os vizinhos ao visitar Yasukuni em 2013, absteve-se de ir ao templo desta vez, mas enviou uma árvore como oferenda. Dois ministros participaram das orações neste sábado.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_