Dúvidas sobre a China afundam as cotações das moedas emergentes

Principal índice mundial de matérias-primas se situa no mínimo de 24 anos

Notas de dólares norte-americanos e de reais brasileiros.
Notas de dólares norte-americanos e de reais brasileiros.

Os mercados mundiais de divisas e de matérias-primas não acreditam no discurso tranquilizador das autoridades chinesas. O desabamento das Bolsas do país asiático, o temor de que essa fragilidade indique um problema real na sala das máquinas da segunda maior economia do planeta –com as implicações que isso teria para o restante do mundo – e a mais que provável elevação das taxas de juros nos Estados Unidos levaram as principais moedas dos países emergentes a caírem para os menores valores nas últimas décadas.

O real brasileiro chegou a seu nível mais baixo em 12 anos em relação ao dólar norte-americano. O peso colombiano caiu a mínimos de 12 anos e o rand sul-africano, a rupia indiana e o peso mexicano estão em mínimos históricos. Apesar da forte proteção do Banco Central da Rússia, que se esforçou para tentar frear a sangria de sua divisa com reiteradas reduções de taxas, o rublo se situou ontem perto dos mínimos de finais de 2014, em plena crise ucraniana.

MAIS INFORMAÇÕES

O principal motivo por trás dessas desvalorizações é a queda no preço das matérias-primas, que prosseguem em sua tendência de baixa, iniciada há mais de um ano. Depois do desabamento dos principais índices chineses, o Bloomberg Commodity Index, que compila a evolução de 22 produtos representativos, entre os quais o ouro, o gás natural, o petróleo, o milho, o cobre, a soja, a prata e a cana de açúcar, caiu na primeira hora desta terça-feira para mínimos de 24 anos, retrocedendo praticamente até o nível registrado quando começou a operar, em janeiro de 1991. A queda é especialmente patente no caso do petróleo: o brent, o produto de referência na Europa, chegou a baixar nesta terça-feira até 53 dólares por barril, níveis mínimos desde o princípio do ano.

Nicholas J. Johnson, vice-presidente e encarregado da área de matérias-primas da empresa de investimentos norte-americana Pimco, atribui a desvalorização das divisas emergentes e das matérias-primas a uma combinação de fatores: a preocupação pela “fraca” demanda chinesa, “agravada pelos recentes desabamentos das bolsas”; o fortalecimento do dólar e a quase certa elevação das taxas de juros nos EUA e Reino Unido, que tanto o Federal Reserve como o Banco da Inglaterra deixaram entrever nas últimas semanas e que o consenso dos analistas dão por praticamente certo para setembro.

Arquivado Em: