VERNE

O Grande Crowdfunding: salve a Grécia contribuindo com 10 euros

Britânico inicia uma campanha de arrecadação para saldar a dívida grega com o FMI

A campanha de arrecadação na plataforma Indiegogo.
A campanha de arrecadação na plataforma Indiegogo.

Thom Feeney, de 29 anos, trabalha em uma loja de sapatos de Londres e lançou uma campanha online no site Indiegogo, uma plataforma de crowdfunding, para salvar a Grécia em uma semana. Essa é sua tese: “Eu doei 10 euros (35 reais). Se um em cada três europeus fizerem o mesmo, a Grécia poder ser salva". E é isso mesmo. Na verdade, sobraria dinheiro. Essas são as contas: A dívida do país grego com o FMI, a que esse rapaz pretende saldar, chega a 1,6 bilhão de euros (5,6 bilhões de reais) e na União Europeia existem 507 milhões de pessoas. 507 milhões divididos por três [um terço da população] = 169 milhões de europeus. Se estes contribuírem com 10 euros = 1,69 bilhão de euros (5,9 bilhões de reais).

Mais informações

“Acredito que alguém deveria fazer algo pelos gregos e por isso coloquei essa ideia em prática”, disse Feeney à Verne por telefone da capital britânica. Seu plano, que colocou em andamento há menos de 48 horas, recebeu até o momento mais de 570.000 euros (1,98 milhão de reais) com a participação de mais de 35.000 pessoas. Esse britânico, nascido na histórica cidade de York, afirma que não há nenhuma campanha por trás de sua ideia e que não está envolvido em nenhuma iniciativa.

Ele propôs sete tipos de doação para que a meta seja cumprida o quanto antes. De 3, 6, 10, 25, 160, 5.000 e, a maior possível, um milhão de euros (10, 20, 35, 87, 555, 17.363 e 3,5 milhões de reais, respectivamente). Todas elas com seu brinde correspondente. Os de 3 euros receberão um cartão-postal do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras. Os que doarem 6 euros, um queijo feta e azeitonas. Quem colaborar com 10 euros receberá em casa um licor grego, claro. Se contribuir com 25, uma garrafa de vinho; se der 160, uma cesta de produtos gregos. Se doar 5.000, e já existe um doador com essa quantia, garante uma viagem para duas pessoas a uma ilha grega e se der um milhão de euros... nada. “Se você é rico não há nada material, o povo grego o agradecerá”, diz.

- Como garante que o dinheiro irá para a dívida?

- “Do jeito que as coisas estão não é uma boa enganar tantos europeus”.

Feeney disse que recebeu muitas ligações de veículos de comunicação e que gostaria de entrar em contato com alguém do Governo de Tsipras. “Não tenho parentes gregos. Tenho somente um amigo que possui nacionalidade grega e britânica. Mais nada.” Jamais visitou o país que pode salvar, mas gostaria de conhecê-lo. “Quero ir nas férias. Acredito que agora é o melhor momento. É preciso ir e gastar dinheiro. Seria uma boa forma de reativar sua economia”.

- Se pudesse votar, que cédula escolheria na consulta de domingo?

- A do ‘não’. Estou de acordo com os princípios que estão por trás dessa opção.

O homem que pode entrar para a história afirma que se sente primeiro britânico e, depois, europeu. “Sim, nada de Brexit e nada de Grexit. [Tanto Brexit como Grexit são os termos utilizados para se referir a uma saída do Reino Unido e da Grécia da União Europeia].

- Se conseguir com que as pessoas doem 1,6 bilhão de euros (5,6 bilhões de reais) deve ter pensado em alguma coisa...

- Sim, darei uma festa grega e beberei vinho tinto grego.