Crise na Grécia

Cresce a pressão sobre a Europa para forçar um pacto na cúpula da Grécia

Washington e o FMI intensificam seus apelos para que a UE evite um novo fracasso

O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras deixa seu gabinete em Atenas.
O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras deixa seu gabinete em Atenas.COSTAS BALTAS (AFP)

Crise, tragédia, drama: são todas elas palavras gregas, e todas elas descrevem perfeitamente o estado da negociação entre Atenas e seus credores, que encara um de seus momentos definitivos. Washington e o FMI redobram as pressões sobre a Europa para evitar um novo fracasso. O Governo de Alexis Tsipras ofereceu o enésimo plano “definitivo” para facilitar um acordo na cúpula desta segunda-feira e evitar uma confusão colossal em seu sistema bancário, cujas fugas de depósitos podem acabar levando o país inteiro à bancarrota.

Tsipras há dias ameaça com o “grande não” da Grécia às exigências dos credores, em referência ao poeta Konstantinos Kavafis, que assim descreveu a resistência grega ao fascismo nos anos de chumbo do século passado. Contra Kavafis, Elvis Presley: uma alta fonte europeia citava hoje o “it’s now or never” – é agora ou nunca – do Rei do Rock para resumir o estado de ânimo das relações entre a Grécia e seus credores. Washington se une a essa cacofonia com o tom lúgubre das grandes ocasiões: o secretário do Tesouro, Jack Lew, pediu à Grécia que adote “decisões difíceis”, mas avisou aos europeus que as consequências de uma nova decepção seriam “terríveis” para todo o continente. Os europeus há semanas dizem que a zona do euro está mais bem preparada do que em 2012. Mas os EUA acreditam que a Europa poderia sofrer consequências graves no caso de uma reedição da crise, sem que o BCE tenha novos cartuchos para gastar e com as dívidas públicas muito mais vultosas.

A Grécia enfrenta uma situação potencialmente explosiva com seus bancos, mas se mantém firme e sustenta que Berlim e companhia também precisam fazer concessões. Milhares de pessoas se manifestaram no domingo em Atenas contra a austeridade. Não era uma concentração stricto sensu a favor do Governo, apesar da presença de numerosas bandeiras do partido governista  Syriza e de algumas vozes governistas terem feito coro ao lema da convocação nas redes sociais (“Nem um passo atrás, não nos deixamos chantagear”).

MAIS INFORMAÇÕES

Na concentração diante do Parlamento havia sobretudo aposentados e funcionários públicos, mobilizados pelo poderoso sindicato dessa categoria. Pensionistas e servidores públicos encarnam dois dos limites teoricamente irrenunciáveis do Governo: as pensões e a preservação dos empregos.

Nova oferta

Apesar dos protestos, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente francês, François Hollande, deixaram claro que Atenas precisa negociar antes com as instituições e com o Eurogrupo (instituição que reúne ministros da zona do euro e outras autoridades) para esboçar um acordo técnico que sirva como base para o pacto político a ser discutido na cúpula europeia desta segunda. Centrado no curtíssimo prazo, Tsipras cumpriu seu prometido e anunciou o envio da enésima oferta grega, intensificado seus contatos diplomáticos com Merkel, Hollande e o chefe da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. Da proposta helênica sabe-se pouco, apesar de Atenas geralmente deixar vazar detalhes. Fontes oficiais citadas pela Reuters e Bloomberg relataram que essa oferta inclui a eliminação das pré-aposentadorias a partir de 2016, a possibilidade de alterar o impostos sobre consumo (IVA) e um aumento de impostos sobre as grandes empresas. As fontes gregas ouvidas acrescentaram que, em contrapartida, a Grécia espera alguma concessão relacionada ao alívio da dívida.

Não está nada claro se o plano grego será suficiente, nem se os sócios irão se comprometer com a reestruturação: o acordo continua no ar, apesar das terríveis pressões sobre o sistema financeiro grego, que na semana passada viu se esvaírem mais de 4 bilhões de euros (14 bilhões de reais) em depósitos. O BCE se reúne novamente na segunda-feira para estudar o que fazer com a respiração por aparelhos oferecida às instituições bancárias. Os analistas dão por certo que, sem um acordo político na madrugada da segunda-feira, será imposto um controle de capitais para evitar a quebra dos bancos. Mas as fontes consultadas em Bruxelas apontam que o esperado acordo poderia dilatar-se até a cúpula de chefes de Estado e de Governo da UE da próxima quinta-feira.

Arquivado Em: