_
_
_
_

Florentino Pérez demite Ancelotti

Presidente do Real Madrid anuncia que o técnico não seguirá no comando da equipe Dirigente diz que nome do novo treinador será informado na próxima semana

Pérez anuncia a destituição de Ancelotti.Foto: reuters_live
Diego Torres

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Florentino Pérez, o presidente do Real Madrid, anunciou nesta segunda-feira a destituição do treinador Carlo Ancelotti, mas se negou a dar uma explicação para sua decisão. Também não apontou o nome do técnico que substituirá o italiano, mas avisou que isso será informado na semana que vem.

“O conselho de diretores decidiu substituir Carlo Ancelotti”, disse o presidente em uma entrevista à imprensa realizada no Bernabéu no fim da tarde. Florentino Pérez aparentava tensão. Trata-se de uma das decisões mais arriscadas que ele toma em seus 12 anos no cargo. E o faz contra a opinião da maioria dos sócios e contra a totalidade da equipe. Quase um salto no vazio. Sem que a solidez da rede que deve apoiá-lo, pelo que se supõe, acabe por convencê-lo. Na diretoria garantem que o presidente não vê com agrado nenhum dos muitos aspirantes a técnico que ele tem avaliado.

"Acreditamos que chegou o momento de dar um novo impulso”, disse o presidente

“Foi uma decisão muito difícil”, confessou o presidente. “Mas não viemos ao Madrid para tomar decisões fáceis, mas as melhores para a instituição, que é referência no mundo.”

“Ancelotti”, prosseguiu Pérez, “ganhou o carinho da diretoria, o meu pessoal e o de toda a torcida. Ele já faz parte da história porque conquistou a Décima. Mas neste clube a exigência é máxima e acreditamos que chegou o momento de dar um novo impulso para alcançar outro nível competitivo em uma nova etapa”.

Mais informações
'Os infiéis de Madri', por JOHN CARLIN
Real Madrid e Brasil, uma história de amor?
Campeão mundial de equilibrismo

De tudo o que o empresário falou, isso foi o mais parecido a um argumento. “Não vou aceitar muitas perguntas porque não vou alongar-me muito”, disse.

De portas fechadas, o presidente do grupo ACS insiste em que Ancelotti não preparou bem a equipe do ponto de vista físico e que no plano tático fez alterações discutíveis quando disputavam a Liga. Essas explicações não convencem todos os seus assessores e é difícil comprová-las cientificamente. Há diretores que acreditam que a destituição é uma medida imprudente e dizem que Florentino Pérez se deixa influenciar em excesso pelo diretor geral corporativo, José Ángel Sánchez, que é um bom filósofo e um excelente administrador, mas não sabe mais de futebol do que um torcedor. A ausência de um diretor esportivo no organograma madridista não causa preocupação entre os dirigentes. É o próprio presidente quem exerce esse papel com a ajuda de técnicos e amigos que o aconselham.

A decisão de despedir Ancelotti foi tão analisada que a diretoria sondou quase todos os jogadores da equipe em busca de opinião. O resultado foi praticamente unânime: os jogadores sustentam que os métodos do italiano são ótimos. Perguntado pela defesa que fizeram do treinador os líderes do vestuário, jogadores como Modric, Kroos, Cristiano e Ramos, o presidente se mostrou compreensivo. “Os jogadores manifestaram o carinho que têm por ele”, disse, “que é o mesmo que eu tenho”.

Mourinho é o único treinador que realmente convence Florentino Pérez

Ancelotti foi o primeiro treinador que Florentino Pérez selecionou pessoalmente, sem se deixar influenciar por seus assessores habituais. Quando o contratou, no segundo trimestre de 2013, concretizou uma ideia que rondava sua mente havia uma década. A satisfação, no entanto, durou pouco. No Natal desse mesmo ano Ancelotti já era um técnico sob suspeita na órbita dos dirigentes. Florentino Pérez dizia se sentir decepcionado com o desinteresse que ele demonstrava por Illarramendi, questionava sua insistência em apostar em Alonso e Di María e lamentava que Isco não tivesse mais minutos em campo. O mal-estar cresceu até alcançar o pico nas vésperas da final da Copa de 2014. Há dirigentes que garantem que o presidente falou com Zidane para lhe pedir que se encarregasse da equipe no caso de derrota para o Barça. Mas o Madrid ganhou aquela final e passou à final da Champions, que também conquistou. A sobrevivência de Ancelotti provocou riso geral no seio do conselho. Os diretores começaram a chama-lo de El Gato.

Iniciada a última temporada, Florentino Pérez não concedeu nem um mês de crédito ao treinador. Seus colaboradores sondaram o mercado desde a segunda semana de setembro do ano passado em busca de alternativas. A derrota do Madrid na Liga para o Atlético, no Bernabéu (1 x 2), pôs em marcha a maquinaria do rastreamento. O primeiro candidato que a diretoria avaliou foi o alemão Jürgen Klopp. Depois disso transcorreram nove meses de pesquisas. Diversos representantes do clube se dedicaram a chamar toda uma lista de técnicos, diretamente ou por intermediários. Klopp, Löw, Vilas-Boas, Benítez, Lopetegui e Míchel foram alguns dos consultados. À frente de todos eles, os dirigentes madridistas colocaram José Mourinho.

Mourinho é o único treinador que realmente convence Florentino Pérez. O técnico português manteve contatos frequentes com o presidente e seu entorno. Mas se negou a aceitar o desafio de regressar. Segundo fontes do clube, Mourinho deu dois argumentos: primeiro, quer ganhar a Champions com o Chelsea; segundo, que não poderia dirigir o Madrid sem antes demitir Cristiano, Pepe, Casillas e Ramos, aos quais culpa por seu fracasso em 2012.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_