Britânicos vão às urnas eleger novo Parlamento em disputa acirrada

Última pesquisa coloca os trabalhistas um ponto à frente dos 'tories' Segundo o 'The Guardian', Miliband ganhará as eleições pela vantagem mínima

Miliband com sua esposa, após votar em um centro eleitoral em Sutton.REUTERS (reuters_live)

Os britânicos comparecem às urnas nesta quinta-feira para eleger um Parlamento que, nas próximas semanas, deverá proporcionar um Governo estável à sexta maior economia do mundo. Um trabalho que, se as pesquisas não estiverem erradas e não ocorrerem reviravoltas de última hora, mostra-se complicado. As 7h da manhã (3h da manhã de Brasília) foram abertos sem incidentes cerca de 40.000 colégios eleitorais, que podem receber mais de 40 milhões de eleitores britânicos. O líder do UKIP (siglas em inglês do Partido da Independência do Reino Unido), Nigel Farage, foi o primeiro dos candidatos a depositar seu voto. Pouco depois Ed Miliband, a escocesa Nicola Sturgeon e o conservador David Cameron também o fizeram.

Mais informações

Tanto Miliband como Cameron aproveitaram suas contas no Twitter para mandar uma última mensagem aos seus eleitores. “Chegou o dia de votar nas eleições mais importantes de uma geração. Como você irá fazê-lo afetará não só seu futuro, mas o de sua família e de nosso país”, disse o primeiro-ministro britânico. Pouco antes, Miliband escreveu no Twitter: “Hoje é o dia em que vocês podem votar por um Governo trabalhista que lutará e defenderá os trabalhadores, podem votar para priorizar o sistema de saúde (NHS) e sua família”.

Sete semanas de intensa campanha não serviram para acabar com o empate técnico no qual encontram-se os dois partidos que há quase um século fornecem ininterruptamente os primeiros-ministros ao país. Conservadores e trabalhistas chegam ao dia da verdade com uma estimativa de votos em torno de 34% para cada um. A tradução em cadeiras no Parlamento, em um sistema eleitoral no qual somente um deputado vence por cada região eleitoral, daria uma ligeira vantagem ao Partido Conservador do primeiro-ministro David Cameron. Mas os dois ficariam longe das 326 cadeiras – 323, levando em consideração que o Sinn Fein costuma não tomar posse das suas – necessárias para ter o controle do governo.

O desastre que as pesquisas preveem ao centrista Partido Liberal Democrata, que perderia metade de seu apoio após sua experiência de cinco anos como aliado minoritário no Governo de coalizão, o transformaria em um aliado insuficiente para formar um Governo de maioria. Somente o Partido Nacionalista Escocês (SNP, na sigla em inglês), que entraria em Westminster com mais de meia centena de cadeiras e a possibilidade de expulsar David Cameron de Downing Street, poderia contribuir para um Governo estável com os mesmos trabalhistas que provavelmente apagarão do mapa político ao norte da fronteira. Mas o candidato trabalhista, Ed Miliband, descartou essa opção. “Não existirá um Governo trabalhista se isso significar tratados ou coalizões com o SNP”, repetiu na primeira semana de maio em uma sessão de perguntas aos líderes dos partidos na televisão.

Sete semanas de intensa campanha não serviram para acabar com o empate técnico

Tudo indica que o que sairá das urnas na quinta-feira será o que na tradicional constituinte britânica é conhecido como um hung Parliament, ou Parlamento em desacordo. Os líderes conservador e trabalhista encontravam-se na quarta-feira finalizando a campanha no norte da Inglaterra, mas suas cabeças já estavam nas negociações que serão formalmente abertas na sexta-feira para tentar constituir um Governo estável com um Parlamento fragmentado.

Se os trabalhistas conseguirem um resultado melhor do que as pesquisas preveem e obtiveram mais cadeiras do que os tories (como são chamados os membros do Partido Conservador britânico), o cenário é relativamente fácil. David Cameron pedirá à rainha que converse com Ed Miliband e este anunciará que está disposto a fazer parte do Governo. Faria em minoria, com ou sem ajuda dos liberais-democratas, Governo que iria adiante com o apoio do SNP.

Mas se, tal como as pesquisas indicam, os tories obtiverem mais cadeiras, sem conseguir as necessárias para tomar o controle do governo, o panorama se complica. A legislação constitucional britânica concede ao primeiro-ministro a primeira tentativa de formar o Governo.

David Cameron poderia tentar, declarando-se ganhador das eleições no Reino Unido, anunciando a intenção de formar um gabinete e preparando o discurso da rainha – ou seja, o documento que Elizabeth II deverá ler no trono à Câmara dos Lordes na abertura oficial do Parlamento, em 27 de maio.

O discurso da rainha esboça as prioridades legislativas do Governo e é submetido a debate e votação na Câmara dos Comuns. No começo de junho, os deputados deverão se pronunciar sobre o documento, que é um projeto de Governo. Se Cameron não obtiver o apoio da mais de metade dos deputados, sofreria uma moção de censura que forçaria sua demissão.

Se os trabalhistas conseguirem mais cadeiras do que os tories, Cameron pedirá à rainha que converse com Ed Miliband e este anunciará que está disposto fazer parte do Governo

Os trabalhistas e os nacionalistas escoceses anunciaram que votarão contra o discurso da rainha dos conservadores. O mesmo fariam os Verdes e os galeses do Plaid Cymru. Se ao todo conseguirem 323 votos, seria o final de Cameron. Estaria aberto então um prazo de 14 dias para que um novo Governo tente obter a confiança da Câmara.

Como se encarregaram de recordar vários constitucionalistas na quarta-feira, em nenhuma das 107 páginas do Manual do Governo está escrito que o partido com mais assentos parlamentares tem prioridade para formar o Governo. Ela caberá a “quem for mais capaz de se fazer credor da confiança da Câmara dos Comuns”. Mas, se após o prazo de 14 dias não se consolidar o apoio a um Governo alternativo, novas eleições seriam convocadas.

Cameron tentará a partir da sexta-feira um acordo de coalizão com os liberais-democratas para compor um Governo, se não majoritário, pelo menos um pouco mais sólido. Nick Clegg, líder dos sociais-democratas, já afirmou que conversará inicialmente com o partido que formar a maior bancada, mas ressalvou que não participará de um gabinete que pactue com os nacionalistas escoceses ou com o UKIP. As discussões entre os ainda sócios de Governo se centrarão, muito provavelmente, em um limite definido pelos tories, mas do qual os liberais-democratas não compartilham: a obrigatoriedade de convocar um referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia.

David Cameron utilizaria sua condição de ainda primeiro-ministro para transmitir uma imagem de responsabilidade e continuidade em paralelo às negociações. Enquanto isso, se as urnas lhe confiarem a possibilidade de formar um Governo alternativo, Ed Miliband permaneceria à espera. Buscará assegurar que seus deputados e os seus potenciais aliados derrubarão o discurso da rainha preparado por seu adversário, abrindo assim caminho para entrar no número 10 da Downing Street.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: