DIA DO TRABALHO

Trilha sonora de quem (e para quem) põe a mão na massa

Uma seleção latino-americana de cantos de trabalho para entoar, celebrando, mais que o Dia do Trabalho, o do Trabalhador

O grupo baiano 'As ganhadeiras de Itapuã'.
O grupo baiano 'As ganhadeiras de Itapuã'.Divulgação

Quem canta, seus males espanta, e se o trabalho está pesado, cantar se faz ainda mais necessário – faz a lida fluir. Os cantos de trabalho são uma manifestação cultural tão antiga quanto o mesmo ato de trabalhar.

MAIS INFORMAÇÕES

Na América Latina, eles sempre acompanharam o trabalhador, da colheita do arroz e do milho à construção de casas e à abertura de estradas, emprestando ritmo e encanto sobretudo às atividades coletivas, como se fossem feitiços hipnóticos. Um efeito próximo da magia.

Do norte do México ao sul da Argentina, os cantos de trabalho nascem no ambiente rural e aí permanecem por muito tempo. Mas as transformações do progresso levam o trabalho dos campos às fábricas e as pessoas da terra ao concreto, sem que a música deixe de acompanhá-los.

“Cantar para trabalhar é uma tradição latino-americana que continua muito viva. Os cantos de vendedores ambulantes, os chamados pregões, é o que escutamos ainda hoje quando chega o famoso carro da pamonha ou quando vamos a uma feira livre em São Paulo, por exemplo. Eles vêm dos escravos de ganho, aqueles que eram destinados por seus senhores a sair pra rua para vender de tudo”, explica Carlos Bonfim, doutor em Comunicação e Cultura pela USP e coordenador do programa de extensão da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Latitudes Latinas.

No Brasil, especificamente, a Bahia é um grande repositório desse tipo de música. Eles são encontrados principalmente nos mutirões, como mostra o documentário Cantos de trabalho, produzido pela TVE Bahia. Bonfim destaca os pregões das Ganhadeiras de Itapuã, em Salvador, que faz parte de um CD de mesmo nome lançado este ano.

Neste 1o de Maio, faça do Dia do Trabalho um Dia do Trabalhador e aproveite para ficar em casa ao som da boa música dos rincões latino-americanos.

A deliciosa seleção abaixo (escute aqui o programa completo) é da rádio Latitudes Latinas, criada para fazer circular no Brasil algo da boa música que se produz na América Latina e que integra um projeto da UFBA – do qual fazem parte também um festival cultural bienal e ciclos culturais permanentes.

Uma seleção de música na lida

Gritos de pregoneros
Por Victoria Santa Cruz no CD Ritmos y aires afroperuanos.

El trabajador
Raphael Evangelista e Mauricio Candussi formam o Duo Finlândia. Esta composição faz parte do CD Mundo Rural (2015).

Mercação
Das Ganhadeiras de Itapuã. Faz parte do CD homônimo lançado em (2015).

La chichera
Por Victoria Santa Cruz. Faz parte do CD Ritmos y aires afroaperuanos.

Canto del pilón
Por Guillermina Ramírez no CD Venezuela demo 24, sonidos de la tradición vol. 1.

A pilá el arró
Por Maria Mulata. Faz parte do CD Itinerário de tambores.

Semente de mandioca
Pelo grupo Cabelo de Maria no CD Cantos de Trabalho (2007).

Los tamaleros
Por Victoria Santa Cruz e Nicomedes Santa Cruz no CD Gente morena.

Canto de ordeño
Compilado por Simón Díaz e gravado no CD Música de mundos (2000).

Torresmo à milanesa
Por Clementina de Jesus, Adoniran Barbosa e Carlinhos Vergueiro.

Canto de lavanderas
Por Gearonima Escobar, "La Niña", no CD Venezuela demo 33.

Canto da lavadeira/yalodê ya/prelúdio das águas
Das Ganhadeiras de Itapuã, no CD homônimo.

Homenagem às lavadeiras
Pelo Duo Finlândia no CD Mundo Rural.

Lo único que tengo
Do compositor chileno Víctor Jara, em interpretação do cantor Nano Stern.

El arado
Composta por Víctor Jara. Interpretada por Pascuala Ilabac.

Sou lavrador
Do grupo Cabelo de Maria no CD Cantos de Trabalho (2007).

Limonera (chocoson)
Composta e interpretada pelo colombiano Alfonso Córdoba, mais conhecido como "El Brujo". Chocoson faz parte do CD Música del Viejo Chocó.

Botellero
Composição do músico argentino Ramiro Musotto. Faz parte CD Sudaka (2001).