Barack Obama busca normalizar a relação com a América Latina

Presidente tenta aproveitar a aproximação de Cuba para revitalizar o diálogo na região

Obama, recebido pelo presidente do Panamá, Álvaro Alemão.Foto: atlas | Video: Atlas / EFE

“Somos todos americanos”, disse o presidente Barack Obama em 17 de dezembro, quando anunciou o fim de mais de meio século de Guerra Fria com Cuba. A mensagem era dirigida aos cubanos, mas foi ouvida em todo o continente. Com a mudança da política cubana, os Estados Unidos querem enterrar décadas de receios com seus vizinhos do sul.

A doutrina Obama de diálogo, diplomacia e multilateralismo tem sua versão latino-americana. Mas nessa região, onde os problemas com o vizinho do norte reais ou imaginários são uma peça valiosa no tabuleiro geopolítico, nada é tão simples.

Mais informações
EDITORIAL: O legado de Obama
A cúpula das mentiras, por MOISÉS NAIM
Pressão internacional sobre Venezuela cresce antes da cúpula
Obama e o Papa, mais populares em Cuba que os irmãos Castro
Economia da América Latina entra numa zona de risco elevado
Panamá confirma presença de Cuba na Cúpula das Américas em 2015

Reforçado pelo pacto nuclear com o Irã e pelo início da aproximação de Cuba, Obama chegou na noite de quinta-feira ao Panamá, onde também está Raúl Castro, com o propósito de normalizar as relações com o continente. As tensões com a Venezuela demonstram que o fim da Guerra Fria pan-americana não acontecerá em dois dias.

A VII Cúpula das Américas, a reunião trienal dos chefes de Estado e de Governo, será a última de Obama antes de abandonar a Casa Branca em 2017. Nunca, desde que chegou ao poder em 2009, Obama havia desfrutado de uma situação tão vantajosa diante dos líderes americanos.

O ar ficou mais claro entre os EUA e o velho quintal dos fundos, após anos nos quais pareceu que Obama não estava preocupado com o continente. O anúncio de que Washington e Havana restabeleceriam as relações diplomáticas mudou tudo. O conclave panamenho deve ser o cenário da foto dos dois presidentes, Barack Obama e Raúl Castro, para concretizar a reconciliação.

Nova etapa

- Barack Obama comparece à VII Cúpula das Américas reforçado pelo pacto nuclear com o Irã e a aproximação de Cuba.

- A Casa Branca defenderá a mensagem de que "somos todos americanos" após dar por encerrado o intervencionismo do passado.

- O Governo de Maduro, novo elemento de tensão.

A teoria da Administração Obama é que a reconciliação com Cuba retira um fator “irritante” da relação com a América Latina. Cuba servia de pretexto para as críticas à maior potência do continente.

De acordo com essa teoria, o fim de Cuba como desculpa altera o tabuleiro. Se em 17 de dezembro a Guerra Fria terminou no Caribe, o próximo passo, como aconteceu nos anos posteriores ao fim dessa etapa na Europa, é a reunificação do continente.

“Isso vai abrir portas que estão fechadas há muitos anos aos Estados Unidos na região”, disse em uma entrevista telefônica o senador democrata Tim Kaine. “A cúpula do Panamá terá um ambiente muito diferente das outras cúpulas e será pelo processo de diálogo com Cuba”.

Kaine viajou em fevereiro à Colômbia, Honduras e México. E nos três países a mensagem de seus interlocutores oficiais foi idêntica: “É muito importante para a relação entre os Estados Unidos e os outros países da América Latina ter um canal para o diálogo com Cuba. Isso abrirá portas fechadas há muitos anos aos EUA nessa região”.

A reconciliação com Cuba retira um fator "irritante" da relação com a América Latina. Cuba servia de pretexto para as críticas à maior potência do continente

“A decisão sobre Cuba é o ato político simbolicamente mais importante dos EUA sobre a América Latina desde os acordos de Jimmy Carter sobre o Panamá”, disse Michael Shifter, presidente do Diálogo Interamericano, o laboratório de ideias de referência em questões latino-americanas. Com esses acordos, de 1977, os EUA se comprometeram a entregar ao Panamá a soberania do canal.

A aproximação de Cuba “cria um ambiente mais aberto, com menos desconfiança para a América Latina”. “Isso não quer dizer que a desconfiança, o ressentimento, que têm raízes históricas, desapareceram. É um pouco ingênuo pensar que uma decisão pode mudar 100% a relação”.

A Venezuela é a prova. Ao mesmo tempo em que o fator “irritante” cubano começa a desaparecer, outro o substitui. As sanções contra funcionários de alto escalão venezuelanos, feitas em março por Obama, obtiveram poucos aplausos nas capitais latino-americanas. Obama recebeu mais críticas na região por suas sanções que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pela prisão de opositores.

A decisão sobre Cuba é o ato político simbolicamente mais importante dos EUA sobre a América Latina desde os acordos de Jimmy Carter sobre o Panamá Michael Shifter, presidente do Diálogo Interamericano

Os esforços dos EUA nas últimas horas centram-se em eliminar o “irritante” venezuelano do conclave do Panamá. Essas cúpulas têm muito de gesticulação e a Casa Branca quer evitar que Maduro ganhe as manchetes.

Obama sente-se forte. “Estamos tentando apresentar o legado de Obama nas Américas como o de um líder interessado no diálogo, nos assuntos que afetam a vida cotidiana das pessoas nas Américas e nas iniciativas que melhoram a vida das pessoas nas Américas”, disse, nas vésperas da cúpula, Ricardo Zúñiga, responsável pelo Hemisfério Ocidental no Conselho de Segurança Nacional.

Algumas decisões de política interna dos EUA, como o fim da denominada guerra contra as drogas ou as medidas para regularizar imigrantes ilegais, repercutem na América Latina. Os EUA confiam que a aproximação de Cuba (e o Irã) afaste os fantasmas do intervencionismo.

A doutrina Monroe, que no século XIX colocou a América Latina como a esfera de influência dos EUA, “terminou”, disse em 2013 o secretário de Estado, John Kerry. No Panamá, um país associado ao intervencionismo norte-americano, Obama tentará fazer com que seja sua doutrina a definir o século XXI: “Somos todos americanos”.

Obama: "A Venezuela não é uma ameaça aos EUA"

EFE

O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou à Efe que seu país e o continente devem "ficar em silêncio" sobre a situação na Venezuela, uma nação que, em sua opinião, enfrenta atualmente "enormes desafios" e Washington continua aberta ao "diálogo direto" com o Governo venezuelano.

“Não acreditamos que a Venezuela seja uma ameaça aos Estados Unidos e os Estados Unidos não são uma ameaça para o Governo da Venezuela”, frisou Obama em uma entrevista exclusiva com a Efe, realizada antes de viajar ao Panamá para participar da VII Cúpula das Américas.

“Mas continuamos muito preocupados por como o Governo venezuelano continua se esforçando para intimidar seus adversários políticos, incluindo a prisão e acusação de crimes políticos de funcionários eleitos, e a contínua erosão dos direitos humanos”, acrescentou Obama.

Por isso, explicou que as sanções anunciadas em março mediante uma polêmica ordem executiva “eram dirigidas a dissuadir a violação de direitos humanos e a corrupção” na Venezuela.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS