Tensão em Caracas

Venezuela recorre à OEA contra medidas dos Estados Unidos

A ministra de Relações Exteriores Delcy Rodríguez discursará em uma reunião dia 19 Há um ano, o país havia desmerecido o papel da Organização dos Estados Americanos

O chanceler venezuelana, Delcy Rodriguez
O chanceler venezuelana, Delcy RodriguezCarlos Garcia Rawlins / REUTERS

Um ano após rejeitar qualquer intervenção da Organização dos Estados Americanos (OEA) na crise da Venezuela, é Caracas que recorre a este órgão, com sede em Washington, diante do mesmo cenário.

Aproveitando a presença de vários ministros de Relações Exteriores, na próxima quarta-feira, para a escolha do novo secretário-geral da entidade - há apenas um candidato oficial, o ex-ministro uruguaio Luis Almagro - Caracas solicitou uma sessão extraordinária do Conselho Permanente para o dia seguinte.

A petição não menciona o objetivo da convocação durante a qual a ministra de Relações Exteriores venezuelana, Delcy Rodríguez, discursará. No entanto, a resposta de diversas fontes diplomáticas é quase idêntica: “Sabemos o motivo”.

A razão seria denunciar a decisão do Governo de Barack Obama de declarar a Venezuela como uma ameaça “incomum e extraordinária” aos interesses dos Estados Unidos e emitir sanções contra sete funcionários venezuelanos aos que Washington acusa por envolvimento na repressão dos protestos realizados há ano e também por corrupção.

A ação de Washington foi denunciada como “aberrante e ilegal” pelo presidente venezuelano, Nicolás Maduro, que além de solicitar poderes especiais para “enfrentar o imperialismo” tratou de buscar respaldos na região. No sábado, a Unasul realizará uma reunião em sua sede, em Quito (capital do Equador), tendo a Venezuela como único tema da agenda.

Daqui a cinco dias, a reunião da OEA na capital dos Estados Unidos terá como atrativo o fato de que a denúncia pelas ações norte-americanas será apresentada pela ministra de Relações Exteriores da Venezuela na sede da OEA, a apenas algumas centenas de metros da Casa Branca, local de onde partiram as sanções.

Será uma ocasião, além disso, para que Caracas se dirija cara a cara aos representantes do Governo norte-americano.

A decisão de recorrer à OEA, embora lícita – porque a Venezuela é membro da única organização que inclui todos os países da região (menos Cuba, por uma decisão do próprio país) –, não deixa de ser paradoxal. Caracas nunca perdeu a chance de ressaltar a “irrelevância” desta organização e rejeitou de forma contínua qualquer ação por parte dela que classificasse como uma “ingerência” em seus assuntos internos.

Há exatamente um ano, a Venezuela usou todas as suas influências para impedir que a OEA convocasse uma reunião de consulta com ministros de Relações Exteriores ou que enviasse uma missão ao país sul-americano para analisar o conflito social que havia estourado em fevereiro de 2014. Finalmente, a organização se limitou a emitir uma resolução tão suave que os pés de página com protestos de países como os EUA e o Panamá ocupavam mais espaço que o texto em si. Enquanto isso, a Unasul era a encarregada de enviar uma missão a Caracas. Dela participavam, por certo, o mais que provável próximo secretário-geral da OEA, Luis Almagro, como ministro de Relações Exteriores do Uruguai. Um ano mais tarde, é Caracas que está disposta a ir à OEA.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50