Deputados defendem Cunha na CPI da Petrobras e questionam lista de Janot

Em depoimento do presidente da Câmara, colegas sugerem quebra de sigilo do procurador

Eduardo Cunha depõe ao lado do deputado de oposição Antônio Imbassahy e do presidente da CPI, Hugo Mota.
Eduardo Cunha depõe ao lado do deputado de oposição Antônio Imbassahy e do presidente da CPI, Hugo Mota.Lucio Bernardo Jr. (Câmara dos Deputados)

O interrogatório do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), durante a CPI da Petrobras na manhã desta quinta-feira, funcionou como um ato de defesa do parlamentar e, indiretamente, de todos os deputados que serão investigados pela Procuradoria-Geral da República por conta do esquema de corrupção na Petrobras. Ao todo, 54 políticos, a maior parte parlamentares, serão investigados pela Lava Jato.

Mais informações

As críticas à investigação partiram até mesmo de petistas. O tom geral foi de ataque ao critério de escolha dos que serão investigados pelo procurador, de uma suposta interferência política na lista e das delações premiadas, que basearam os pedidos de investigação autorizados pela Justiça. A oposição pediu a quebra de sigilo telefônico do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e do procurador-geral, Rodrigo Janot, e indicou a intenção de convocá-los para depor na CPI.

Na sexta-feira, o Supremo Tribunal Federal autorizou a investigação de Cunha por formação de quadrilha, corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele negou os indícios apresentados por Janot para justificar a investigação.

Durante as quase cinco horas do depoimento, ele recebeu apoio irrestrito dos partidos, tanto da situação como da oposição. “Foram usadas regras distintas para assuntos que o procurador tratou como iguais. O caso de vossa excelência diverge de todos os que temos em mãos”, disse Carlos Sampaio, líder do PSDB, partido que já se mostrou alinhado com o PMDB na CPI.

O PT também partiu para a defesa de Cunha e aproveitou para questionar a inclusão de outros parlamentares na investigação, incluindo alguns de sua legenda. “O processo de delação premiada está por um fio”, disse o líder do partido na Câmara, Sibá Machado (PT-AC). “O que essa casa tem em mãos não nos leva a ver por que seu nome foi citado. Esperamos separar aqui na comissão disputas políticas de fatos concretos”, disse ele. A fala veio em contradição com o exposto pela deputada Maria do Rosário, também do PT, que refutou a insinuação de que houve escolha política. “Não acredito em politização do procurador. Não é razoável pensar que uma instituição autônoma esteja fazendo um jogo político”, disse ela, que manifestou, no entanto, o apoio do partido a Cunha.

Os questionamentos mais duros vieram do deputado Ivan Valente (PSOL), que perguntou ao presidente da Casa se ele estaria disposto a autorizar a quebra de seu sigilo financeiro e telefônico, e de Clarissa Garotinho (PR), que chegou a chamar o depoimento, ironicamente, de uma “reunião de confraternização”. Ela perguntou se ele tinha contas no exterior, o que ele negou. Ao pedido de Valente, Cunha afirmou que, caso a comissão acreditasse ser necessário, poderia pedir a quebra dos sigilos, mas ele não o faria para não “constranger” outros deputados a fazerem o mesmo.

Aproveitando o clima amistoso e a posição comum de desqualificação de alguns dos critérios usados por Janot, o Solidariedade aproveitou para apresentar um requerimento na comissão em que pede a quebra do sigilo telefônico tanto do procurador-geral quando do ministro da Justiça, que se reuniram dias antes da divulgação da lista. O Solidariedade tem o deputado Luis Argôlo (SDD-BA) na lista de políticos investigados da PGR que seguiu para o Supremo na semana passada. Cardozo afirmou que o encontro tratou de ameaças feitas a Janot. Para o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (sindicato opositor ao PT), a investigação é necessária para “compreender a possibilidade da manipulação do curso das investigações”. Também foi manifestada a intenção de convocar ambos para depor.

Ao final, Cunha afirmou à imprensa, quando questionado sobre a forma pouco incisiva como foi inquirido. “Não tem CPI leve, nem pesada. O que tem são os fatos. Se você achou que foi leve, é porque os fatos são leves.”

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: