Crise na Grécia

Parlamento alemão aprova resgate grego apesar de oposição popular

Cerca de 30 deputados da CDU votaram contra a extensão do pacote

Merkel durante a sessão do Parlamento alemão.
Merkel durante a sessão do Parlamento alemão.TIM BRAKEMEIER (EFE)

Uma esmagadora maioria do Parlamento alemão aprovou nesta sexta-feira a extensão de quatro meses para o resgate grego. Um total de 542 deputados, dos 631 assentos que compõem a Bundestag (a Câmara Baixa), votou a favor de estender a ajuda financeira à Grécia, em sua maioria deputados da grande coalizão dos partidos União Democrata-Cristã (CDU) e União Social-Cristã da Baviera (CSU) que governam o país. Os Verdes e a maior parte dos deputados do partido A Esquerda (Die Linke) também apoiaram a proposta do Governo.

Mais informações

A votação tem inclinado a maioria dos parlamentares a apoiar um plano de ajuda financeira desde o início da crise do euro. Mas também confirma a existência de um setor crítico entre os membros da CDU: 29 dos 32 nãos vieram do partido presidido pela chanceler Angela Merkel, a CDU, ou de seus irmãos bávaros da CSU. Foi a esse setor que o ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, se dirigiu quando fez um apelo à responsabilidade dos deputados para conseguir um sim. “Nós, os alemães, devemos fazer todo o possível para manter a Europa unida”, disse.

Schäuble não pensava apenas em seus companheiros rebeldes do partido. Também se dirigia a uma opinião pública esmagadoramente contra o pacote. Segundo uma pesquisa do instituto INSA, apenas 21% dos alemães apoiam a extensão recém-aprovada.

Como prova desse mal-estar, o jornal mais vendido do país, Bild, começou uma campanha para que os leitores se fotografem com um gigantesco “Nein” (Não), publicado em sua edição de quinta-feira. O jornal de esquerda Taz respondeu na sexta-feira com uma capa na qual se lê um grande “Ja” (Sim), para continuar a ajuda aos gregos.

Schäuble se dirigiu aos mais céticos quando lembrou que a extensão negociada com a União Europeia não representa nenhuma nova ajuda para os cofres gregos. Mas o ministro das Finanças também tinha uma mensagem para Atenas. Schäuble, que no dia anterior reconheceu estar “perplexo” diante do discurso de seu colega grego, alertou que a Europa não permitirá ser chantageada pelo Governo de Alexis Tsipras.

O líder de esquerda da oposição, Gregor Gysi, demonstrou sua alegria com a chegada de Tsipras ao poder. “É o primeiro Governo que questiona as políticas neoliberais kamikazes para a Europa”, destacou o parlamentar do Die Linke, antes de também pedir um Plano Marshall para a Grécia.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50