Seleccione Edição
Login

Jordânia executa dois jihadistas em resposta ao assassinato do piloto

Amã enforca dois militantes da Al Qaeda que estavam presos

Obama apoia a Abdalá depois do golpe jihadista. Por JOAN FAUS.  O rei Abdalá com Obama nesta terça-feira na Casa Branca.

Ao nascer do sol o Governo jordaniano cumpriu nesta quarta-feira sua promessa de dar uma resposta "decisiva e forte" ao brutal assassinato do piloto jordaniano Moaz Kasasbeh, queimado vivo pelo Estado Islâmico (EI). O vídeo difundido de sua morte causou comoção no povo jordaniano cuja raiva aumentou ao descobrir que o soldado havia sido assassinado um mês antes.

Às quatro da manhã, Sayida al Rishawi e Ziad al Karbuli, ambos de nacionalidade iraquiana, foram executados depois de esperar no corredor da morte em uma prisão jordaniana desde 2005 e 2008, respectivamente. A primeira por participar no pior atentado terrorista realizado no país. O segundo por assassinar um jordaniano e por pertencer a um grupo terrorista.

O Estado Islâmico tinha exigido a libertação de Al Rishawi, cujos parentes colaboraram com o líder iraquiano da Al Qaeda, Abu Musab Al-Zarqawi, considerado pelo Estado Islâmico como um mentor. Amã tinha concordado em negociar a troca da terrorista por Kenji Goto, um dos reféns japoneses em poder dos jihadistas. No entanto, os extremistas não cumpriram sua palavra. As imagens da decapitação de Goto, um veterano correspondente de guerra, se tornaram públicas neste sábado.

"É horroroso. Fiquei muito impressionado pela forma como o EI o matou. Ainda tínhamos esperanças de que Moaz continuava vivo e que o Governo seria capaz de trazê-lo de volta", dizia Zaid Khawaldeh, professor universitário, ao diário jordaniano The Jordan Times. Uma multidão se reuniu à meia-noite de terça-feira na praça central de Amã, exigindo vingança pela morte de seu "irmão mártir", cantando "Morte, morte a Daesh" (acrônimo do EI em árabe e com conotações pejorativas) e levando cartazes que diziam "todos somos Moaz".

A morte do jovem tenente de 26 anos impactou ainda mais seu povo, pois se tratou do primeiro soldado árabe e muçulmano da coalizão assassinado desde que começaram os bombardeios aéreos no mês de agosto sobre posições do EI. A execução dos dois membros da Al Qaeda como resposta ao assassinato de Kasasbeh foi bem recebida entre a maior parte da população que apoia suas tropas. "Sei que o olho por olho levará a um mundo de cegos, mas neste caso e tratando-se do EI, peço ao Governo que execute não apenas Sajida, mas todos os presos membros do EI", declarava em Amã o contador Nadeen Rizi ao mesmo jornal.

No mês de dezembro, 11 prisioneiros condenados por assassinato foram enforcados na última execução realizada, selando 8 anos de moratória desde que em 2006 foi executado um condenado.

O desafio do EI agilizou os processos para que a condenação dos dois milicianos da Al Qaeda fosse realizada em questão de horas. A execução aconteceu na prisão de Suaca, a 80 quilômetros ao sul da capital jordaniana. Duas ambulâncias transportaram os corpos de Al Rishawi e Al Karbouli escoltados pela polícia.

As instituições penitenciárias não revelaram onde serão enterrados. Por outro lado, o piloto assassinado provavelmente não será entregue a sua família, já que os jihadistas não fizeram isso em nenhum caso. "No Islã o ritual da despedida e o enterro são muito importantes. Agora sua família não recuperará o corpo", lamentava Nur Al Mesri, estudante de enfermaria, por telefone desde a capital jordaniana.

Cumprida a sentença dos dois jihadistas, o pai do piloto assassinado dizia ainda estar insatisfeito. "Quero que o Estado vingue o sangue do meu filho com mais execuções daqueles que seguem a esse grupo criminoso e que não tem nada a ver com o Islã", afirmava em declarações divulgadas pela agência de notícias Reuters.

O piloto assassinado pertence a uma importante tribo local aliada do monarca jordaniano. A brutalidade do assassinato de um de seus cidadãos provocou uma reação inicial de unidade, apesar de que a participação da monarquia na coalizão liderada pelos Estados Unidos não teve muito apoio no país, chegando a desatar críticas das tribos que temiam uma espiral de represálias por parte dos radicais.

As mensagens de condenação e pêsames chegaram de todas as partes do mundo. Os Estados Unidos, onde se encontrava de visita o rei Abdalá II quando o vídeo foi divulgado, reiteraram seu compromisso com a luta contra o EI e elogiaram o piloto "que personificará para sempre a coragem do verdadeiro filho da Jordânia", dizia o comunicado. Em outro comunicado, as Forças Armadas Jordanianas reafirmavam também a necessidade de aumentar a luta contra o terrorismo e veneravam seu soldado caído que foi "escolhido por Alá como mártir no paraíso".

MAIS INFORMAÇÕES