Seleccione Edição
Login

“Nublado. Escuro. #RIP Ricardinho”

Policial mata surfista profissional Ricardo dos Santos com três tiros em Santa Catarina

Suposto autor de crime alega legítima defesa

O surfista brasileiro Ricardo dos Santos.
O surfista brasileiro Ricardo dos Santos. EFE

O surfista profissional Ricardo dos Santos, Ricardinho, de 24 anos, morreu na tarde desta terça-feira em Florianópolis (região Sul do Brasil) depois de ser atingido por três tiros disparados por um policial militar fora de serviço em uma discussão em frente à própria casa, na praia de Guarda do Embaú (Santa Catarina). Apesar de ter recebido dezenas de bolsas de sangue e de ter passado por quatro cirurgias, o esportista não conseguiu resistir aos graves ferimentos e sofreu uma parada cardiorrespiratória pela manhã.

Ricardinho teve sua melhor temporada em 2012, quando chegou a vencer o mítico Kelly Slater, o melhor surfista da história, em uma prova do Circuito Mundial na qual chegou às quartas de final.

Em uma das versões divulgadas pela imprensa, segundo testemunhos recolhidos pelos jornais O Globo e O Dia, Ricardinho teria abordado dois homens (que eram irmãos) que estariam consumindo maconha encostados em um carro, perto de sua casa, e pediu para que não fumassem na rua, por volta das 9h da última segunda-feira. Ainda segundo os jornais, os irmãos entraram no veículo e um deles, identificado como Luís Paulo Mota Brentano, de 25 anos, disparou três vezes no jovem antes de fugir. Um helicóptero transportou o surfista, ainda consciente e com ferimentos no tórax e no abdômen, ao hospital regional de São José.

O suposto autor de crime foi preso pouco depois da discussão e prestou depoimento à Polícia Civil, onde alegou legítima defesa. Segundo o delegado Marcelo Arruda, que lidera a investigação, “há duas versões do episódio. A de que o policial tinha atirado nele sem motivo e a do próprio policial, que diz ter sido ameaçado pela vítima e por outro homem com um facão. Vamos esperar o resultado dos relatórios e faremos a reconstrução do crime”. O policial, que permanecerá detido em Florianópolis, foi submetido a exame toxicológico. A polícia informou que não encontrou drogas no carro do suspeito.

A estranha morte de Santos causou espanto na comunidade surfista e esportiva brasileira. “Nublado. Escuro. Foggy. #RIP Ricardinho. Que Deus ampare sua família”, expressou-se no Facebook a surfista brasileira especializada em ondas gigantes Maya Gabeira. O campeão mundial de surfe, Gabriel Medina, escreveu no Twitter sobre a morte de seu amigo: “Ricardinho, você não merecia isso! Não mesmo, nunca! Por que isso acontece com gente do bem? Não entendo isso! Moleque gente boa, sempre ajudando o próximo, sorriso de orelha a orelha todos os dias, exemplo de pessoa. Família Dos Santos que Deus conforte sua família”. O ex-tenista Gustavo Kuerten, fã de surfe e catarinense como Santos, disse no Instagram que “era um cara cheio de talento e de vida” [...] Vai com Deus, Ricardinho, e continue sempre nos iluminando!”.

O Hospital Regional de São José informou que as córneas do surfista serão doadas. Depois de cremado, suas cinzas serão espalhadas na praia de Guarda do Embaú. Nos últimos cinco anos no Brasil a polícia matou 11.200 pessoas, segundo estatísticas oficiais.