Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Beber álcool antes de dormir dá sono, mas prejudica o descanso

Estudo de ondas cerebrais mostra que o álcool produz efeitos no sono similares aos sofridos por pessoas com dores crônicas

Beber álcool antes de dormir dá sono, mas prejudica o descanso

O álcool dá sono, quem já provou sabe, mas essa sensação evidente pode levar a conclusões equivocadas. Beber antes de dormir pode parecer uma boa ideia para facilitar o sono, mas o efeito, no final, é que o descanso é pior. Estas são as conclusões fundamentais de um grupo de pesquisadores que publicou seu trabalho na revista Alcoholism: Clinical & Experimental Research.

Para analisar os efeitos de tomar álcool antes de dormir, os autores realizaram eletroencefalogramas com os quais mediram a atividade cerebral durante o sono em pessoas entre 18 e 21 anos que tinham tomado álcool (quase meio litro de vodca com laranja). Embora, a princípio, se tenha observado um aumento na potência das ondas delta, relacionadas com as fases mais profundas do sono, essenciais para um bom descanso, também se detectou um aumento da atividade alfa frontal, sintoma de perturbações do sono.

Segundo o artigo dos cientistas, liderados por Christian Nicholas, da Universidade de Melbourne, os resultados sugerem que a atividade simultânea de ondas delta e alfa deve ser vista de maneira muito diferente do aumento apenas da atividade delta, a positiva. Este fenômeno, batizado na década de 1970 como sono alfa delta, reduziria a atividade reparadora do sono NREM (não REM), um dos períodos pelos quais se passa quando se dorme. Além disso, esta combinação de ondas alfa e delta também é observada em pacientes com transtornos do sono que se levantam cansados e foi associada a dores de cabeça ou musculares e ao mau estado de ânimo.

Estes incrementos em atividade alfa delta são apresentados, ainda, por pessoas com dores crônicas, portanto, afirmou Nicholas, “se o sono é perturbado regularmente pelo consumo de álcool antes de dormir, especialmente durante longos períodos de tempo, isto poderia ter efeitos perniciosos sobre o bem-estar durante o dia e sobre as funções neurocognitivas como a aprendizagem e a memória”.

MAIS INFORMAÇÕES